17 de fev de 2016

As Deusas e a Mulher - A Mulher Hera

Hera foi a esposa ciumenta de Zeus; muito vingativa com as deusas, com as mortais, ou com os filhos que Zeus teve fora do casamento, mas jamais com o próprio Zeus
As mulheres tipo Hera são aquelas que almejam e sonham com o casamento; não lhes bastam relações informais. Todo o ritual da cerimônia de casamento é imprescindível. 
São fiéis e leais e capazes de suportar dificuldades com o marido. São dependentes do marido e por isso tendem a transferir a culpa deles para outrem. E quando traídas ou sofrem uma perda, a reação é de pura raiva vingativa. Para elas, a outra, é a vagabunda, a sem-vergonha, a desqualificada, não importando se esta outra foi vítima de sedução. 
Algumas mulheres do tipo Hera, cansadas de viverem o relacionamento conturbado dos pais fogem através do casamento, que foi extremamente idealizado. 
Os estudos e o trabalho são algo secundário para estas mulheres, exceto que isto possa repercutir positivamente para seu cônjuge. Costumam ter poucas amigas e se afastam assim que conseguem um relacionamento estável. Terá amizades pertinentes ao casal, mas nada íntimo, viverão apenas para o social, mas desprezarão as pessoas, principalmente, as mulheres solteiras ou separadas que são vistas ou como perigosas ao seu casamento ou apenas não são nada pois não possuem um marido. 
As mulheres tipo Hera tendem a julgar os outros muito mais por sua aparência do que por outros motivos. Elas vivem exclusivamente para o marido em detrimento a todo o resto. Escolhem homens competentes, de sucesso, que possam preenchê-las, completá-las. 
Via de regra, o sexo é vivido apenas com o casamento ou com o possível marido e, freqüentemente, é o tipo de sexualidade passiva. O casamento é o fato mais importante para sua vida. 
A rotina diária, o fazer passeios e viagens juntos são suas metas após o grande dia. Muitas vezes, o homem que escolhe casar com uma mulher tipo Hera, é aquele que deseja ter uma mulher para apresentar socialmente, é apenas uma fachada. 
Por maior que seja sua insatisfação no casamento, a mulher tipo Hera, dificilmente pedirá o divórcio. E quando se divorcia, tem muita dificuldade em aceitar: espera pelo arrependimento e volta do parceiro, perturba a nova companheira ou filhos deste, gerados do novo relacionamento. 
Este tipo de mulher terá filhos, mas não por desejos maternais e sim porque ter filhos faz parte dos casamentos tradicionais. Mas os filhos, ficarão sempre em segundo plano. É aquele tipo de mãe que não intervem entre os filhos e o marido, mas se o fizer, estará ao lado do marido, independente de ele estar certo ou errado. 
Por isso, não sofrem a síndrome do “ninho vazio” (saída dos filhos) mas, a separação ou a viuvez são seus maiores martírios, muitas vezes, insuperáveis. Algumas mulheres precisam aprender a cultivar Hera para que possam desfrutar de relacionamentos mais íntegros e significativos, principalmente aquelas que já se consolidaram na profissão e/ou já tiveram muitos romances. 
Elas precisarão aprender conscientemente a cultivar uma ligação ou a predisposição a uma. Algumas terão que desistir da imagem de um homem idealizado e aceitar o homem possível. 
Para diminuir o poder dessa deusa é conveniente que a mulher resistisse a se casar até estar certa do que quer e estar mais madura para perceber que pode fazer uma escolha errada por projetar características irreais num homem. Deve cultivar outros interesses, controlar sua fúria interior transformando essa energia numa atividade criativa, artística ou mental (artesã, trabalhar com argila, pintura ou escrita). Precisam aprender a conviver com os dados de realidade e partir “para outra”, se este for o caso; terá que se desvincular do relacionamento anterior para que possa confiar novamente num relacionamento. Também poderá aprender a desvincular-se de um mau casamento simbolicamente, ou seja, desistir da aceitação incondicional do vazio que essa relação lhe oferece e desistir apenas de viver o papel de esposa, clamando o auxílio de outras deusas.
Por Anyara Meneses Lasheras, copiado do site

Nenhum comentário:

Postar um comentário