24 de fev de 2016

Qual Deusa te rege? por Roberta Struzani

Com todos estes estudos com certeza você já encontrou uma Deusa que lhe parece ser sua regência. No entanto é difícil nos avaliarmos, pois existem aspectos em nós, dos quais preferimos não observar. Então nossa mente nos engana, tornando mais difícil a fidedignidade. Por isso o motivo das Vivências, jogos, testes  e até mesmo o curso que nos ensina e também trabalha como um processo de cura, estes trabalhos dirão qual Deusa tem a presença mais forte na sua personalidade. E ainda podendo mapear suas dificuldades de vida, seus traumas, bloqueios e suas virtudes e forças.

Toda mulher possui uma ou duas Deusas Predominantes na sua constituição. É improvável que chegue a trocar inteiramente de Deusa num ponto de transição da sua vida.
Após o resultado, passe a reconhecer duas ou três destas Deusas na sua vida, reflita sobre elas, e as reconheça também em sua mãe, irmãs, amigas, chefe. Obviamente nem todas as descrições da Deusa irá se aplicar a você, até porque existem outras Deusas que te regem e sua própria Deusa Interior que é única, mas procure observar as diferentes Deusas que se expressam em você nas diferentes fases da sua vida.

Por exemplo não importa qual Deusa nos rege fundamentalmente, estar grávida ou cuidar de nossos filhos em fase de crescimento nos levará ao mundo de Deméter e toda a consciência maternal, no entanto você a viverá em forma de Artemis sua Deusa Predominante, ou seja cuidará de sua filha com todo amor, mas irá criá-la para ser livre, sem muitos mimos. Uma mãe Afrodite com toda certeza irá lhe encher de amor, pois junta a característica predominante de amor de Deméter mais Afrodite, no entanto os cuidados com seu filho, será nas suas roupas, em inseri-lo ao mundo social, festinhas, festa do pijama com as amiguinhas em sua casa. Uma mãe Hera já irá fazer tudo conforme a tradição de família, cuidando da sua filha com autoridade, irá tentar manter os ciclos do bebê em horários determinados, hora da mamada, hora do banho e que delicia para ela a hora da reunião de família graças a sua filha. Para a mãe Perséfone por exemplo introduzir sua filha a um conto de fadas, ou contar-lhes histórias e batizá-la, realizar shantala e perceber cada percepção da sua filha, tendo capacidade melhor do que qualquer outra Deusa de manter uma linguagem expressiva com ela, é uma tendência certeira de Perséfone.

Do mesmo jeito que vivenciar um amor, independente da Deusa que a predomina, você estará entrando no mundo de Afrodite. Se vive um casamento então está no mundo de Hera e obviamente irá apresentar um pouco de Hera em sua Roda da Deusa. Se está passando por um momento de auto conhecimento, como uma viagem sozinha para o exterior, onde não conhece ninguém sente-se meio perdida tudo é novo e obviamente nunca pensou e conversou tanto consigo mesma, então está vivendo uma fase Perséfone da sua vida, assim como um momento ruins de morte de alguém próximo, ou o enterro de um bichinho de estimação ou ainda um processo de Depressão todos fazem parte de uma fase Perséfone. Estar lutando mais por uma carreira do que o próprio trabalho, algo que você faz por crescimento por entusiasmo é estar no mundo de Atena, assim como um momento de estudo árduo com paixão de fazê-lo, no período da faculdade por exemplo. Agora um exemplo bem pertinente a muitas mulheres novas de hoje em dia, por algum motivo você decide que quer ficar sozinha, que a vida solteira é muito melhor e você se sente muito mais viva, então viva acaba de adentrar na atmosfera de Artemis. Ficou claro então que você tem uma Deusa que a predomina, as vezes até duas ou três, mas existem fases na vida que a vida te obriga a experimentar novas faces das Deusas, mas você nunca perde a essência da Deusa Predominante.

Uma outra característica importante é observar a Deusa que está mais apagada em você, a que nos testes das Deusas e Vivências para tal finalidade, teve a menor pontuação, correlacionar ela com a de maior pontuação. É bem provável que uma esteja compensando a outra.

Por exemplo uma Deméter vazia enquanto uma Afrodite se destaca muito junto com uma Perséfone, é bem provável que houve grande conflito com a mãe que a levou a anular a Deméter existente nela e ainda como provocação inconsciente ela passou a virar uma Afrodite compulsiva em certos momentos, com vários homens sem disfarçar, a Perséfone apresenta o conflito entre as duas facetas, o olhar para dentro. Algumas vezes, a Afrodite pode até não ser a Deusa Predominante nela, mas grandes bloqueios formaram couraças, mascaras, onde ela adotou Afrodite como uma forma de defesa. Por isso toda vez que houver um déficit muito grande de uma Deusa e uma Perséfone com grande pontuação, que de preferência não seja Perséfone dominante, então deve se ficar atenta para possíveis bloqueios e traumas. Observe o que estes padrões dizem sobre mágoas e ferimentos? Reconhecer os padrões do comportamento inconsciente é o primeiro passo no processo de conciliação e cura. 

Texto de Roberta Struzani do site 

http://odespertardofeminino.blogspot.com.br/2012/06/o-estudo-dasdeusas-interiores-atraves.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário