9 de abr de 2016

DOCUMENTÁRIOS - Pachamama

Sinopse e detalhesO documentário faz uma viagem ao coração aberto da América do Sul, através da floresta brasileira em direção ao Peru e à Bolívia, onde encontra a realidade de povos historicamente excluídos do processo político de seus países e que pela primeira vez na história buscam uma participação efetiva na construção do seu próprio destino.
Pachamama pode ser visto como o desfecho de uma trilogia (Rocha que voa e Intervalo Clandestino) em que se privilegia a multidão anônima, onde o termo brasileiro nunca está sozinho. Este novo filme de Eryk Rocha registra uma viagem de 14 mil quilômetros pelo Brasil, Peru e Bolívia, feita pelo cineasta a convite de uma equipe de pesquisadores, em 2007. Da selva amazônica à região da antiga civilização inca, a idéia é entender o que se passa nas nações vizinhas, tendo sempre o Brasil no retrovisor.

Logo em seu início, Eryk Rocha explica as regras do jogo. Este é um filme de estrada, no qual ele mesmo opera a câmera, pela primeira vez. O longa deve ser montado durante a viagem. Assim, Pachamama se mostra afinado a uma noção cara às instalações: o dispositivo, uma estratégia (de filmagem ou narrativa), uma "maquinação", uma lógica que institui condições, regras, limites para que o filme aconteça. Cada vez mais presente em documentários, essa estratégia é fundamental nos trabalhos de Cão Guimarães, Eduardo Coutinho, Kiko Goifman, e se faz presente aqui. Rocha dá largada a um movimento que produz um acontecimento não dominado por ele. E assim, o filme caminha entre o domínio das bases deste movimento e uma extensa falta de controle em relação aos efeitos e eventuais acontecimentos que possam surgir.

Aos poucos, Pachamama (“mãe-terra” no antigo idioma aymara) recolhe sinais de uma América do Sul em transformação. A câmera opera como uma extensão do corpo do cineasta. Ela respira, descobre, duvida. Em suas imagens, as paisagens expressam estados de espírito. O som as amplifica. A montagem combina transmissões radiofônicas e televisivas, música e falas. Muitas falas. Pachamama é um documentário de questionamentos, se faz no embate do cineasta (e sua câmera) com a população anônima das ruas. Rocha circula pela multidão, aponta a objetiva para pessoas comuns que tecem os mais variados comentários e reflexões. Assim como em Rocha que voa e Intervalo Clandestino, o documentarista desprivilegia a figura do entrevistado em prol de seu discurso. Em sua forma essencialmente desarrumada, o filme registra a desarticulação das falas de pessoas apanhadas na rua (num discurso simultâneo ao pensamento). O cineasta não está preocupado com a construção de um continuum de vozes, de um todo social complexo, e tampouco faz comentários a respeito do que filma.

Só que falta ao longa um mapeamento mais claro de sua construção. Se este já era um problema em Intervalo Clandestino, ele se mostra maior agora, quando a política não é mais o tema dominante e o espaço a ser enquadrado triplica. Pachamama acaba construindo um fluxo pouco articulado de temas e recortes, principalmente na disposição de seus corpos falantes. É um filme digressivo ao extremo: as falas que o compõem parecem nunca receber o tempo que merecem. Diante das 80 horas de material bruto, um corte de 100 minutos parece mutilado, pouco natural em seu ritmo e em seu desenvolvimento narrativo. Vale dizer, porém, que todo esse material deu origem também a uma série televisiva em seis capítulos, exibida no Canal Brasil e na TV pública do Paraná. Vale dar uma olhada, e ver se ali ele se complementa melhor.



O filme Pachamama - título que significa para os indígenas andinos mãe-terra e designa a deusa agrária dos camponeses narra a viagem do diretor pela floresta brasileira em direção ao Peru e à Bolívia, onde encontra a realidade de povos historicamente excluídos do processo político de seus países e que, pela primeira vez na história, buscam uma participação efetiva na construção do seu próprio destino. É uma pequena odisséia de trinta dias pela realidade amazônica e andina, que revela uma América Latina em ebulição, perpassada pela cultura milenar dos Andes, que irradia pelo continente substância primordial na constituição de novos paradigmas políticos.

Estréia: 26 de fevereiro de 2010.

Pachamama na rede:
http://www.twitter.com/pachamamaofilme
http://www.facebook.com/pachamamaofilme

Nenhum comentário:

Postar um comentário