1 de mai de 2016

MAIO - Celebração do Dia

A deusa grega Maia, mãe do deus Hermes e a mais importante das "Sete Irmãs" - representadas pela constelação das Plêiades -, deu origem ao nome deste mês. Maia, também chamada de Maius pelos romanos, era a deusa do calor vital, da sexualidade e do crescimento, sendo homenageada durante o festival de Ambervália, que incluía rituais de purificação e de proteção da terra.

O nome anglo-saxão antigo do mês era Thrimilcmonath ou "o mês em que as vacas dão leite três vezes ao dia" e, na tradição Asatru, é Merrymoon. No calendário sagrado druídico, a letra Ogham correspondente é Duir e a árvore sagrada é o carvalho. O lema do mês é "fortaleça-se e cresça".


As pedras sagradas do mês são a ágata e a esmeralda. As divindades regentes são MaiaBona DeaAsherahBlodeweddIrisMachaMaeve,Diana, as deusas da vegetação e da água e os deuses ApoloPan e Cernunnos.


Os povos nativos denominaram este mês de Lua AlegreLua Brilhante,Lua FlorLua do Retorno dos SaposLua do LeiteLua do Plantio do Milho, Lua das Folhas e Mês da Alegria, entre outros.



Na tradição celta, o nome do mês era Mai e era considerado um período de liberdade sexual. Celebrava-se a fertilidade da natureza (vegetal, animal e humana) durante os fogos cerimoniais de Beltane.



Dos rituais antigos dedicados à deusa irlandesa da vida, da morte e da sexualidade Sheelah Na Gig, permaneceu o hábito de pendurar roupas velhas nos espinheiros, no quarto dia do mês, para afastar a pobreza e o azar.


Na Roma antiga, comemorava-se a deusa Bona Dea, a protetora das mulheres e homenageavam-se os Lêmures, os espíritos dos ancestrais, durante o festival de Lemúria, com oferendas em seus túmulos.



Os antigos gregos tinham os rituais de Kallynteria e Plynteria para a limpeza dos templos e das estátuas e festivais especiais para celebrarPan, o deus da virilidade e da vegetação, Perséfone, a rainha do mundo subterrâneo e seu consorte, o deus Plutão.



Comemoravam-se também Diana, a deusa da Lua e da vida selvagem e as Parcas, as deusas do Destino.


Asherah, a Grande Mãe dos semitas, marcava o inicio do mês, celebrada com oferendas de frutas e fitas, como a Árvore da Vida nos bosques sagrados.



Perchta, a Deusa Mãe, era reverenciada na antiga Alemanha e as Três Mães (a tríplice manifestação da Deusa) em vários lugares da Europa.



Os celtas celebravam as deusas da guerra Macha e MaeveBlodewedd, a deusa das flores e Cerridwen, a guardiã do caldeirão sagrado.


Na França, durante o festival das Três Marias, os ciganos festejam até os dias de hoje a deusa Sara Kali - posteriormente cristianizada como Santa Sara - com procissões, danças, casamentos e feiras. É a única celebração da Deusa ainda mantida viva, as Três Marias representando a trindade feminina encontrada na maior parte das antigas religiões e tradições.



As culturas eslavas celebravam a deusa da natureza Lada, os finlandeses a deusa da sorveira Rauni, enquanto que os povos nativos de vários lugares (Tibete, Rússia, Américas do Norte e Central) reverenciavam  osespíritos da naturezaas divindades da chuva e as deusas da Terra.


Rememorando os antigos rituais da união sagrada das polaridades ( o casamento da Deusa e  do Deus), dedique este mês a buscar sua harmonia pessoal, conciliando seus opostos, aparando as arestas e criando condições para atrair um parceiro compatível ou para aprofundar uma relação já existente.



*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

Nenhum comentário:

Postar um comentário