1 de ago de 2016

AGOSTO - Celebração do Dia

Outrora chamado Sextilis no calendário romano, este mês teve seu nome mudado para Augustus em honra ao imperador Augustus César. 

O título "august", dado apenas aos imperadores ou "augur", dado apenas aos sacerdotes, é decorrência de um dos aspectos da deusa Juno - Juno Augusta - e está relacionado ao poder profético conferido aos homens pelas divindades.


O nome anglo-saxão deste mês é Weodmonath e o nórdico, Aranmonath.
Os povos nativos chamaram-no de Lua da Colheita, Lua da Cevada, Lua do Milho, Lua quando as Cerejas ficam Pretas, Lua das Disputas ou Mês da Vegetação.

No calendário druídico, a letra Oghan correspondente é Quert e a arvore sagrada é a macieira. O lema de mês é "descanse, mas não descuide de seu desenvolvimento interior".

Durante este mês, em vários países, celebrava-se a colheita dos cereais. 
Os celtas dedicavam o primeiro dia do mês ao Sabbat Lughnassadh ou Lammas, o primeiro festival da colheita.
Lammas, em inglês arcaico, significava a Missa do Pão (Loaf Mass), descrevendo, assim, a festa do pão fresco, feito dos primeiros grãos de trigo.

Os romanos também tinham seus festivais de colheita, Consualia Opseconsiva, reverenciando o deus Consus e a deusa Ops (regentes dos depósitos de grãos e da colheita) com oferendas de pão fresco e vinho. No final do mês, a festa Charisteria agradecia as dadivas das divindades da terra.

O deus Vulcano era celebrado com três festividades: 
PortunaliaVolturnalia e Vulcanalia. Para contrabalançar essas cerimonias do fogo, eram também reverenciadas as deusas Juturna (das fontes) e Stata Mater (da proteção contra os fogos), assegurando, assim, a proteção contra incêndios, frequentes nessa época de calor e seca.
Na Grécia, o dia treze era dedicado a Hecate, a Rainha da Noite, senhora do mundo subterrâneo e guardiã das encruzilhadas; o dia vinte e três, por sua vez, era para Nêmesis, a deusa da justiça, da vingança e da punição justa. Nessas celebrações, as mulheres, cujos pedidos haviam sido atendidos, iam em procissão, carregando tochas, até os templos das deusas onde eram feitos os rituais.

No Egito, abençoavam-se os barcos e na Índia, comemorava-se Ganesha, o deus com cabeça de elefante, pedindo-lhe que removesse os obstáculos e os azares, ofertando-lhe flores e arroz.

As pedras sagradas do mês são a sardônia e o peridoto. As divindades regentes são Lugh, Deméter, Ceres, Chang O, Xochiquetzal, Medusa, Hecate, Nêmesis, Atargatis, Arianrhod, Bast, Ilmatar, Frey e Freyja.

Agosto é um mês favorável à avaliação de sua "colheita" nos meses anteriores. Medite a respeito das "sementes" que não vingaram e que devem ser substituídas e das "ervas daninhas" e dos "invasores" que prejudicaram seus esforços. Renove ou fortaleça a terra de sustento de seus projetos, conectando-se às deusas da terra, agradecendo pelos frutos colhidos e pedindo-lhes energia e inspiração para os próximos meses.


*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur. http://www.teiadethea.org/

Nenhum comentário:

Postar um comentário