10 de out de 2016

10 DE OUTUBRO - Celebração do Dia

Coyolzauhqui por Thalia Took
Na Espanha, celebração da Virgem del Pilar, versão moderna da deusa lunar asteca Coyolxauhqui, filha de Coatlicue, a Deusa Mãe.

Em 1978, nas escavações da cidade do México, foi encontrada uma grande pedra com uma inscrição. Era uma antiga lenda descrevendo a disputa entre Coyolxauhqui, cujo nome significa "sinos dourados" Huitzilopochtli, seu irmão e deus do Sol. No fim dessa luta, vista como a oposição entre o dia e a noite, o irmão mata a irmã. A Deusa Mãe, comovida com a bondade da filha, cortou sua cabeça e transformou-a na Lua, brilhando apenas durante a noite e jamais encontrando seu irmão, o Sol.

Nas lendas tupi-guarani, conta-se a historia de Perimbó e Poré, o casal lunar. A deusa criadora de toda a vida na Terra - Perimbó - e o deus lunar - Poré - eram divindades de natureza benevolente. Apesar disso, castigavam sem hesitar todos os humanos que infringissem as leis divinas.

Na antiga Alemanha, homenageava-se Alraune, a deusa da sorte e da magia, com oferendas de raiz de mandrágora. Essa raiz era utilizada na confecção de amuletos de proteção e de boa sorte. Na Dinamarcacelebrava-se a Anciã dos Sabugueiros, antiga divindade invocada antes da retirada dos galhos de sabugueiro para a confecção de varinhas magicas.  

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

Nenhum comentário:

Postar um comentário