11 de dez de 2016

11 DE DEZEMBRO - Celebração do Dia

Dia consagrado à deusa celta Arianrhod, a Rainha da Neve, senhora da Lua e da magia, guardiã da Roda de Prata, cuja morada celeste era na constelação Corona Borealis.

Segundo as lendas, Arianrhod era uma pálida e linda mulher, filha preferida da deusa galesa Don, vivendo em seu castelo Caer Arianrhod em uma ilha isolada. Ela se apresentava de forma dupla como a Virgem e como Mãe, padroeira da Lua, da noite, do amor, da sexualidade, da magia, da justiça e do destino. 

Mitos mais tardios apresentam-na como uma Deusa Mãe, girando a Roda de Prata e transformando-a em uma barca lunar.  Nela, Arianrhod transportava as almas dos mortos para a Lua ou para sua constelação. Outro mito também descreve-a como Morgause ou Margawse, a deusa da Lua e da noite, transformada pelos romances medievais em uma simples feiticeira.

Comemoração japonesa da deusa Yuki One, "A Donzela de Neve", o espirito da morte pelo frio. Ela aparecia para aqueles que tinham se perdido nas montanhas geladas como uma mulher pálida e silenciosa, cantando suavemente para adormecerem para que ela soprasse sobre eles  o hálito frio da morte.

Em Creta, antes da chegada das tribos gregas patriarcais, reverenciava-se Britomartis que, apesar de ser originariamente uma deusa lunar, também estava associada à Terra, à natureza, às arvores e aos animais. Como deusa  telúrica, ela também era a guardiã dos mortos, padroeira dos caçadores e pescadores

Era reverenciada no Monte Dikte, chamada por isso, às vezes, de Dictynna. Apos as invasões gregas, seu culto foi absorvido e adaptado ao de ÁrtemisCelebração de Bruma, a deusa romana do inverno.

Antigamente, neste dia, começavam as celebrações de Yule, marcadas pela runa Jera, simbolizando a complementação dos ciclos naturais e o casamento sagrado entre o Céu e a Terra.   


*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur. http://www.teiadethea.org/

Nenhum comentário:

Postar um comentário