13 de dez de 2016

13 DE DEZEMBRO - Celebração do Dia

Festa da Belíssima, na Itália, celebração da antiga deusa romana Juno Lucina, deusa da luz e do parto. Seu emblema era o pirilampo e em suas festas realizavam-se procissões com velas. As lendas diziam que a deusa, vestida de branco e coroada de luz, aparecia ao alvorecer, deslizando sobre a neve e trazendo comida para os pobres.

Neste dia, as "streggas" (bruxas) acendem fogueiras ou usam tochas em rituais para afastar o mal, a escuridão e para combater o"mal'occhio" (mau olhado). Coroas de arruda amarradas com fitas vermelhas são confeccionadas; as pessoas então cospem três vezes através delas, invocando a proteção de Juno Lucina para  afastar o mal de sus vidas.

Dia de Santa Lúcia, celebrada com um festival de luzes, na Suécia. Neste dia, a filha mais velha, vestida com uma longa túnica branca e coroada com treze velas acesas, percorre toda a casa, oferecendo depois o desjejum a seus pais. Esse costume perpetua os antigos símbolos da Deusa que trazia a luz e a comida. Depois, todos os familiares se vestem de branco e vão para a igreja, assim como faziam seus antepassados, indo em procissão com velas para abençoar as comunidades e os campos. As crianças, vestidas com túnicas brancas e cintos vermelhos, acompanham uma menina coroada com velas, escolhida entre as melhores alunas. 

O prato típico dessa festa é "Lussekatts" ou "gatos da Lúcia", roscas com açafrão e passas homenageando um dos animais totêmicos da Deusa (o outro era a joaninha). Por ser uma deusa dos partos, proibia-se às mulheres trabalharem neste dia, fato este que poderia atrair o azar.

Este dia também era celebrado na Hungria e em outros países da Europa com procissões de velas e moças vestidas de branco, carregando velas e distribuindo biscoitos e bebidas.

No Brasil, no sincretismo religioso, comemora-se Ewã, a deusa ioruba do céu, da terra, do vento, das nuvens e da água. Seu nome significa "a que se banha nas águas doces", sendo considerada "os olhos de todos os Orixás", podendo, por isso, também ser chamada de Senhora dos Olhos. De acordo com o mito, Ewã passa uma metade do ano como mulher e a outra como serpente. 

Ritual do Dia:
Invoque-a para melhorar e preservar sua visão. Entoe seu nome como um sussurro, soprando para limpar sua aura durante um banho de purificação em uma cachoeira ou na chuva.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur. http://www.teiadethea.org/

Nenhum comentário:

Postar um comentário