30 de set de 2016

30 DE SETEMBRO - Celebração do Dia

Meditrinália, comemoração da deusa Meditrina, em Roma, a padroeira das artes curativas. As pessoas iam em procissão aos lugares sagrados, levando oferendas de frutas e pedindo ou agradecendo as curas.. Acreditava-se que essa deusa usava o poder do vinho e das ervas para curar as pessoas. Por isso, neste dia, todos bebiam vinho preparado com ervas aromáticas, invocando as bençãos da deusa para suas vidas.

“Themis” by Michele-lee Phelan
Uma deusa da cura muito mais antiga era Angitia, padroeira da tribo Oscan, no norte da Itália. Ela governava os poderes mágicos e de cura, sendo uma grande especialista em feitiços verbais e com ervas. Era invocada, principalmente, para curar mordidas de cobras e envenenamentos.

Festival grego homenageando Themis como governante de DelosThemis ou Têmis, era uma Titã, filha de Urano e Gea, mãe das Horas, das Moiras, das Hespérides, de Astrea, de Atlas e de Prometeu. Conselheira de Zeus, personificava a lei e a ordem, representando a consciência coletiva, o ajuste de divergências, a paz e a justiça. 

Os juramentos eram prestados em seu nome e, se alguém omitisse a verdade, a deusa o punia com a morte. Carregando uma balança com os olhos  vendados, Têmis protegia os inocentes e punia os culpados. 

Sua equivalente romana era a deusa Justitia.

Dia de São Jeronimo, sincretizado na Umbanda com o Orixá Xangô, o senhor da vibração original ígnea, o deus da justiça, do trovão e dos relâmpagos. 

Ritual do Dia:
Sintonize-se com a egregora deste dia, vá para perto de uma pedreira ou cachoeira, faça alguma oferenda e acenda uma vela púrpura ou verde. Medite sobre as motivações e os resultados de suas ações passadas, responsabilizando-se por seus atos e pedindo força e luz para poder agir sempre de forma justa, correta e para o bem de todos.

Epitaphia, antiga comemoração grega homenageando as almas dos guerreiros mortos em combate.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

29 de set de 2016

29 DE SETEMBRO - Celebração do Dia

Heimdall
Celebra-se, neste dia, o Arcanjo Mikael, inimigo das injustiças e maldades, invocado para proteção e defesa.

Ritual do Dia:
Sempre que precisar de segurança e proteção, acenda uma vela azul e ore pedindo para que esse Espirito de Luz possa lhe abençoar e defender, cortando as amarras de sua vida com sua espada flamejante.

Festival de Saint Michael (São Miguel) ou Michaelmas, nos países anglo-saxões, versão cristianizada de Heimdall.

Dia dedicado a Heimdall, o deus nórdico guardião de Byfrost, a ponte do arco-iris que liga o mundo dos deuses ao mundo dos homens, chefe dos guerreiros celestes.

Comemoração de Gwynn ap Nudd, o deus celta do Mundo Subterrâneo, cuja morada é dentro da colina sagrada de Tor, em Glastonbury, a antiga Ilha de Avalon.

Na Escandinavia e na Islândia, homenageava-se Fylgja ou Fylgukona, espirito guardião e protetor das famílias. Apresentando-se sob uma forma feminina, Fylgja era parecida com as deusas Disir, embora tornasse-se visível apenas na iminência da morte. Segundo as lendas, Fylgja avisava sobre os acontecimentos, tanto os bons quanto os ruins e permanecia sempre junto a uma pessoa ou de toda a família. Às vezes, seu nome era modificado para Hamingja.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

28 de set de 2016

28 DE SETEMBRO - Celebração do Dia

Arte de Talia Took
Celebração das deusas astecas da água e da fertilidade. 

A mais conhecida era a deusa Chalchiuhtlicue, a "deusa com saia de jade", representada coberta de jóias de turquesa e jade, usando uma coroa com penas azuis e a saia enfeitada com lírios. 

Ela regia todas as águas - dos rios, dos lagos, da chuva e das cachoeiras - e gostava de oferendas de flores e penas azuis e brancas. 

Chalchiuhtlicue aparecia sob outras inúmeras formas, tendo vários nomes, de acordo com sua origem e seus atributos. 

A deusa do mar era Acuecueyotlcihuatl, a "mulher que faz as ondas crescerem", invocada pelas parturientes para romper as bolsas d'água e iniciar o parto.

No antigo Peru, comemorava-se Mama Occlo, a deusa celeste que inventou a tecelagem e ensinou-a às mulheres.

Dia de Saleeh, no Egito, celebrando o nível máximo do Nilo e as deusas HathorSothisÍsisNeith Anath.

Festa dos Salgueiros, na Mesopotâmia, homenageando Mah, a deusa da Terra, da fertilidade e da Lua. 
Originariamente uma Mãe Criadora, ela foi assimilada, posteriormente, à deusa romana Bellona, tornando-se Mah Bellona, a padroeira da guerra.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

27 de set de 2016

27 DE SETEMBRO - Celebração do Dia

Medua por Thalia Took
Dia das Górgonas, as deusas gregas do poder oculto. 

Em numero de três: EuryaleStheno Medusa 
- as Górgonas tinham rostos lindos e asas douradas, mas seus corpos eram cobertos por escamas de lagarto e seus cabelos formados por ninhos de cobras. Dotadas de presas afiadas e garras metálicas, seu olhar era tão terrível que petrificava quem as encarasse. As três Górgonas viviam juntas alem-mar, no mundo da noite e eram protegidas por suas outras irmãs mais velhas, as Greas, que tinham apenas um olho e uma presa. Alguns historiadores crêem que as Górgonas eram sacerdotisas lunares usando mascaras para assustar os visitantes inoportunos. Outros acreditam que elas eram uma tribo de Amazonas da Líbia, denegridas pelos gregos como sendo monstros. 

Festa de Ziza, a deusa germânica da colheita, Mãe Criadora da vida e da Terra, equivalente da deusa egípcia Ísis.

Na China, cerimonia anual para a Lua, com rituais celebrados apenas por mulheres, agradecendo as colheitas e homenageando a lebre lunar, o animal sagrado da deusa Chang-O.

Festival Lunar Choosuk, na Coreia e em Taiwan, honrando os espíritos dos mortos e dos ancestrais.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

26 de set de 2016

MÚSICA - Wiccan music and Lullabys

26 DE SETEMBRO - Celebração do Dia

Celebração da morte de Tammuz, o consorte amado da deusa Ishtar, deus da vegetação da Babilônia transformado pelos gregos no belo Adônis. S

egundo as lendas, Tammuz morria anualmente para ressuscitar na primavera seguinte, simbolizando, assim, o ciclo das estações na natureza. Tammuz, assim como Dumuzi, o consorte da deusa Inanna, era um deus sacrificial, chamado de "O Ungido", título correspondente ao grego "Christos".

Na Irlanda homenageava-se, neste dia, Aibell, "A Encantadora", a regente dos Sidhe, as colinas encantadas, morada das fadas. Lendas posteriores transformaram-na em um espirito guardião das pedras de Killaloe, onde os viajantes que ouviam sua harpa magica encontravam a morte. 

Os irlandeses acreditavam que as fadas, principalmente as verdes, gostavam de ouvir e ensinar a tocar harpas protegendo, por isso, os bardos e os cantores.

Comemoração de Cosme e Damião, no Brasil, os "Ibeji" da Umbanda popular, com a distribuição de doces e roupas para as crianças pobres.

Ritual do Dia:
Aproveite a data para visitar um orfanato ou um hospital infantil e ajudar alguma criança carente, de forma efetiva e não apenas dando balas ou roupas.

Theseia, o festival grego em homenagem ao herói Theseu.

Antigamente, na Palestina, sacrificava-se, neste dia, um bode para apaziguar Azazel, o anjo caído, que representava o mal para os hebreus e era associado ao planeta Marte.

Nas tribos siberianas, venerava-se Umaj, a deusa protetora dos recém-nascidos, a quem eram oferecidas as placentas.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

25 de set de 2016

25 DE SETEMBRO - Celebração do Dia

Pyanopsia, na Grécia, a Festa dos Feijões, comemorando as belas deusas das estações chamadas Horae ou Horas.

As Horas eram as filhas de Themis e Júpiter, chamadas de Porteiras do Céu e encarregadas de abrir e fechar as portas do tempo. Originariamente eram três: Eunômia, da boa ordem; Dicéia, da justiça e Eirene, da paz. 

Posteriormente, foram relacionadas às estações e acrescentaram-se mais duas: Carpo e Thelete, as guardiãs dos frutos e das flores. 

Quando os gregos dividiram o dia em doze partes iguais, o numero delas foi aumentado para doze e foram chamadas de "as doze irmãs": 
- Acme
Auxo
Anatole
Carpo
- Dicéia
- Dysis
- Eirene
Eunômia
- Eupória
Gymnasia
Thelete 
- Talo

As Horas presidiam a educação das crianças e regulavam a vida dos homens. Antigamente eram representadas coroadas com folhas de palmeiras, depois, nos tempos modernos, com asas de borboletas e segurando ampulhetas ou relógios.
Sedna por Talia Took

No GroenlândiaAlaska Sibéria, comemoração esquimó da deusa Sedna, a protetora dos mares profundos, senhora da vida e da morte, nutridora e guardiã de seu povo, desde que ele respeitasse suas leis. Após serem abatidas, as almas dos animais deveriam permanecer junto a seus corpos por três dias, para levarem informações para a Deusa sobre o comportamento dos homens. Se suas leis fossem infringidas, ela punia os homens com doenças, fome e tempestades.

Celebração dos Serafins, os anjos da sabedoria. Na Cabala, os Sephirots são os dez atributos ou emanações do Divino, sendo reverenciados no Oriente próximo e na Espanha, antigamente. A Mãe Primordial dos Sephirots é Sephira, que, junto com Binah e Chokmah, forma uma tríade, sendo identificada, às vezes, com Sophia, por ser chamada de "A Divina Inteligencia".

Festa budista para o Bodhisattva da Sabedoria.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

24 de set de 2016

FILMES - Marina Abramovic: Artista Presente

Marina Abramovic é uma das influências mais decisivas na arte da performance. Nelas, a artista testa os limites de sua própria resistência física e mental. Em 2010, o MoMA de Nova York, organizou uma grande retrospectiva da sua obra. Para a ocasião, Marina, não só remontou obras passadas, como criou uma nova performance pela qual interagiu intensamente com o público durante todo o período da mostra. O doc mostra a criação e o período desta exposição, alem de entrevistas com curadores, colecionadores e artistas.

Assista pelo Site - Cinema Interativo:
http://www.cinemainterativo.com/legendado/assistir-marina-abramovic-artista-presente-legendado-bluray-720p/

Signo de Libra (24/9 - 23/10)


Libra ♎

Face Positiva: Esbanja charme e tem apurado senso estético. Procura a beleza em todos os setores. Gosta de viver em harmonia e procura o equilíbrio em tudo o que faz. Prega e exige justiça tanto para si como para as outras pessoas. Cultiva a diplomacia e sonha com um mundo melhor.

Face Negativa: É indeciso, muitas vezes não sabe escolher o que é melhor para si. Incapaz de dizer não, acaba assumindo compromissos que não pode cumprir. Tem medo de magoar e por isso quase sempre concorda com a outra pessoa, em sacrifício das próprias opiniões. Fala muito e é vaidoso.


FONTE: Eu sei que sou mortal e a criatura de um só dia; mas, quando perscruto o conjunto dos círculos giratórios das estrelas,...

DOCUMENTÁRIOS - Moolaadé - Parte 2





Numa aldeia africana, o costume da mutilação genital feminina, uma operação dolorosa, é temida por todas garotas. Seis delas devem passar pelo ritual num determinado dia. O pavor é tanto que duas afogam-se num poço. As outras quatro buscam a proteção de Collé, uma mulher que não permitiu que a filha fosse mutilada, invocando o "moolaadé" (proteção sagrada). Mas vários homens pressionam o marido de Collé para que retire a proteção, nem que para isso ele tenha de chicoteá-la. (fonte: Filmow)

24 DE SETEMBRO - Celebração do Dia

Dia de Nossa Senhora da Misericórdia, na Igreja Católica, antiga celebração de Odudua, a fonte criadora do panteão ioruba, dia sagrado no culto da Santeria.

Obatalá
Odudua, a Mãe Terra dos iorubas, rege a Terra, a natureza, o amor, a fertilidade e a sexualidade. Sua cor é o preto, representando a terra, a matéria e "tudo o que está embaixo"

Ela é consorte de Obatalá 
oOrishala, o Rei do Pano Branco, que representa o principio masculino, o espirito, o céu e "tudo o que está em cima". Seus altares eram representados por duas cabaças, uma preta virada para cima e outra branca virada para baixo. 

Alguns escritores e pesquisadores consideram Odudua como um ser masculino, sendo Yemanjá a consorte de Obatalá. Mas o mito verdadeiro é uma adaptação de uma tradição muito antiga de Dahomey, a do casal divino constituído por Mawu (a deusa da Terra, da Lua e da Noite) e Lisa (o deus do Sol e do Dia).

No Egito, celebração anual do renascimento do deus Osíris, com cantos, danças e plantios cerimoniais.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

23 de set de 2016

23 DE SETEMBRO - Celebração do Dia

Demeter in The Goddess Oracle by
Hrana Janto&Amy Sophia Marashinsky,
"Plemo Choai", o nono e último dia dos Mistérios Eleusínios, a celebração dos vasos sagrados, feitos em barro e representando o ventre fértil de Deméter, a fonte da abundancia na Terra. Reverenciavam-se os ancestrais com libações de vinho e oferendas.

Os sacerdotes levavam as oferendas para as frestas da terra e despejavam o conteúdo misterioso de dois vasos sagrados, um para o leste, outro para o oeste. As pessoas gritavam "hye, kye" (flua e conceba) e os sacerdotes invocavam o principio paternal (para fluir) e a origem maternal (para conceber). As pessoas comiam, depois, de forma ritualística, romãs e maçãs, consideradas as frutas do renascimento, comemorando a continuidade da vida e encarando a morte como uma simples pausa entre as vidas.

Celebração das deusas gregas do outono, Carpo e Carman, associadas às Horas, as deusas das estações.

Na Finlândia, dia de Mielikki, a deusa protetora dos animais selvagens e das florestas. Seu animal totêmico era o urso, por isso, nos altares a ela dedicados, havia sempre um cranio ou uma pele de urso.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

22 de set de 2016

22 DE SETEMBRO - Celebração do Dia

Oitavo dia das celebrações de Elêusis"Mysteriotides Nychtes", a noite dos mistérios. Reencenava-se o mito de Deméter e Perséfone em três estágios: "legomena" - coisas faladas -, "dromena" - coisas encenadas - e "deiknymena" - coisas reveladas. 

Kore por Thalia Took
Ao final, os iniciados se reuniam no grande salão do templo onde, à luz de tochas, celebrava-se a volta de Perséfone do mundo subterrâneo e sua transformação de Kore, a donzela, em Perséfone, a Rainha das Sombras, a esposa de Hades, senhor do mundo escuro dos mortos. A essência dos Mistérios representava a esperança da vida renovada, a coragem em enfrentar as sombras e o medo da morte e a confiança no eterno ciclo das reencarnações.

Comemoração da morte de Tiamat, na Suméria, a Mãe das Aguas Primordiais, representada em forma de dragão. Segundo os mitos patriarcais, seu filho Marduk enfrentou-a e matou-a, dividindo seu corpo para formar o Céu e a Terra. Outros mitos descrevem Tiamat como uma Deusa Peixe, similar a Atargatis.

Equinócio da primavera no hemisfério sul, marcando a entrada do sol no signo de Libra, celebrado pelos celtas como Sabbat Mabon ou Alban Elfed, com rituais de gratidão, introspecção e dedicação espiritual.

Dia tradicional para práticas oraculares em vários lugares do mundo. Na antiga Alemanha, as jovens ofertavam guirlandas de flores e galhos de pinheiro para a deusa do amor Minne, pedindo-lhe ajuda para encontrar o namorado certo.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

21 de set de 2016

21 DE SETEMBRO - Celebração do Dia

"Epopteia", o sétimo dia dos Mistérios, a Noite da Iniciação dentro do recinto mais sagrado e oculto do templo, o Telesterion. Pouco se sabe sobre esses ritos sagrados, reservados apenas àqueles que tinham passado pelos Mistérios Menores, celebrados em Agra no inicio da primavera. 

Os iniciados juravam manter sigilo absoluto sob pena de morte. Sabe-se apenas que, antes da entrada no Telesterion, eram feitas oferendas de cereais e sacrifícios de leitões na gruta de Hades, no templo Plutonion

Uma pedra da entrada da gruta, chamada "omphalos"- o umbigo do mundo -, assinalava a transição da luz para a escuridão, a descida de Perséfone ao mundo subterrâneo, revivida pelos iniciados que encarariam os fantasmas de seus medos da morte e as aparições tenebrosas dos espíritos dos mortos. Após esses momentos de sofrimentos, os iniciados presenciavam o "Hiero gamos", o casamento sagrado, a união ritualistica dos sacerdotes e a encenação do nascimento de Iacchos, a criança divina, simbolizada por uma única espiga de trigo elevada pelo sacerdote no meio de luzes e ao som de címbalos. Em seguida, havia a revelação dos objetos da "cista mystica", a cesta sagrada de Deméter e a celebração da continuidade da vida após a morte com os gritos de Ye (chuva) e Kye (nascimento), ou seja, "flua e conceba", a chuva celeste fertilizando a Terra.

Morrigan
Festa da vida no Egito, celebrando a Mãe Divina doadora da vida em sua tríplice manifestação como Filha (renovadora), 
Mãe (criadora) e Mãe Negra (o absoluto). Essa festa egípcia celebrava a Lua e as águas vitais que dela se originaram.

Dia dedicado à deusa Morrigan, regente da vida e da morte. Morrigan era uma deusa lunar tríplice, apresentando-se como a virgem - Ana, como a mãe - Babd e como a anciã - Macha. Como deusa da morte, ela sobrevoava os campos de batalha, na forma de um grande corvo, cantando a canção do fim da vida.

Comemoração grega do nascimento de Palas Athena, a deusa da justiça e da sabedoria.

Dia internacional da Paz, com demonstrações em favor da paz.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

20 de set de 2016

20 DE SETEMBRO - Celebração do Dia

Sexto dia dos Mistérios Eleusínios, com a preparação dos peregrinos para a iniciação, assimilando o significado do mito e o simbolismo de"synthema", a senha recebida dos sacerdotes. 

Por ter sido extremamente bem guardado, o conhecimento verdadeiro dos segredos dos Mistérios 
desapareceu com a morte do ultimo iniciado. Para a posteridade, sobrou apenas o conhecimento exotérico e as deduções dos historiadores e antropólogos, baseadas nas inscrições e gravuras. A mais famosa inscrição resume, de forma enigmática, o que os iniciados faziam: "Eu jejuei, eu bebi o kykeon, eu peguei algo no cesto, eu coloquei algo de volta no cesto e depois passei do cesto para o meu peito." As explicações são repletas de diversas especulações e interpretações. A mais óbvia sugere que o "kykeon" era a bebida de cevada fermentada com ervas, o "retirar do cesto" referia-se aos objetos sagrados (uma esfera, um cone e um espelho), o "colocar de volta no cesto" designava as oferendas e a menção ao peito assinalava a complementação de um ciclo: tirar, devolver e se preparar para o novo, com orações e encantamentos.

Celebração da antiga deusa pré-helênica Perse ou Perseis. Chamada de "Portadora da Luz" ou "A Destruidora", ela era uma deusa lunar, esposa do Sol e filha do oceano, mãe das deusas Pasiphae Circe. Provavelmente Perse originou o mito e o culto a Perséfone.

Na América do Sul, festeja-se o nascimento do deus solar tolteca Quetzalcoatl, a "serpente emplumada" dos astecas, o deus da vida, da fertilidade e da sabedoria. Considerado um Deus Criador, ele era relacionado ao planeta Vênus e, por isso, requeria apenas um sacrifício humano anualmente (ao contrario de outros deuses, bem mais sanguinários). Quetzalcoatl regia o vento, a respiração, a arte, a civilização e era o eterno rival de Tezcatlipoca, o deus da morte, cujo rosto era de obsidiana negra.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

19 de set de 2016

19 DE SETEMBRO - Celebração do Dia

"Agyrmos" ou "Pompe", o quinto dia dos Mistérios Eleusínios com a reunião dos iniciados para começar a procissão, percorrendo a pé os trinta quilômetros que separam Atenas de Elêusis. Eles vestiam roupas novas, eram coroados com guirlandas de murta e carregavam os"bacchus", cajados feitos de galhos entrelaçados, símbolos da morte do velho e do nascimento do novo. Entoando cânticos, a procissão parava em certos lugares para deixar oferendas sob figueiras sagradas - "Hiera syke" - consagradas à Deméter. Na ponte sobre o rio Kefisos, os sacerdotes expunham, publicamente, os vícios e as verdades vergonhosas dos iniciantes, que deveriam ouvir com humildade e não protestar. A intenção era expor o velho Eu para que ele morresse de vergonha e pudesse renascer. À noite, ao chegar em Elêusis, apesar do cansaço, os iniciados começavam as cerimonias à luz das tochas, honrando com danças e cânticos as deusas Deméter Perséfone.

Deusa Gula
Na Babilônia, celebrava-se, neste dia, a deusa Gula, a Grande Mãe doadora e destruidora da vida. Gula era a Grande Curadora, tendo poder tanto para infligir como para curar as doenças. Ela era representada cercada de uma aura com oito raios de calor vital, o calor que sustenta ou destrói a vida. Gula vivia em um jardim no centro do universo, onde ela cuidava e regava a Árvore do Mundo, repartindo seus frutos com aqueles que a reverenciavam. Às vezes, era acompanhada de um cachorro, pois ela defendia os espaços das pessoas assim como um cão o faria. Outra vezes, ela aparecia com as duas mãos levantadas em prece, mostrando aos homens a postura apropriada para lhe pedir ajuda.

Comemoração com jejuns e orações de Thot, o deus da sabedoria e da magia no Egito

Thot tinha características lunares (a cabeça de íbis, adornada com o disco lunar e a lua crescente) e era representado segurando a palheta do escriba. Ele gerou a si mesmo e foi o criador dos hieróglifos e dos números, sendo considerado o Senhor dos Livros e das Palavras Sagradas.

Ritual do Dia:
Faça uma avaliação honesta e acurada de suas compulsões, condicionamentos limitantes, hábitos prejudiciais, dependências e atitudes negativas. Olhe-se no espelho da verdade e comprometa-se a mudar tudo aquilo que envergonha, diminui, prejudica ou limita seu verdadeiro Eu, libertando-se, assim, das máscaras do falso Eu.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/