31 de out de 2016

31 DE OUTUBRO - Celebração do Dia

Samhain, o mais importante dos oito Sabbats celtas, marcando o início do Ano Novo celta e o terceiro e último festival da colheita. Nesta noite, celebra-se a deusa em sua face escura, como a Anciã, a senhora da morte e da sabedoria, buscando-se o contato com os espíritos dos familiares falecidos e dos ancestrais.


Cailleach por Thalia Took
Seguidores da tradição Wicca e druídica do mundo inteiro celebram esse Sabbat com fogueiras, rituais para os ancestrais, uso de adivinhações (bola de cristal, espelho negro, caldeirão com água) e oráculos (runas, tarot, I Ching). Os celebrantes usam trajes especiais, máscaras de animais e lanternas de abóboras, consumindo comidas e bebidas tradicionais (torta de abóbora. maçãs assadas, bolo dos ancestrais). 

É o único dia em que os celtas procuravam o intercâmbio com o além, "conjurando" espíritos e se comunicando com aqueles que estavam no País do Verão, a terra onde as almas esperam a reencarnação. Segundo as lendas, todos aqueles que tinham morrido durante o ano esperavam o dia de Samhain, quando os véus que separam os mundos são mais tênues, para atravessar as fronteiras. Para guiá-los nessa passagem, eram acesas fogueiras, tochas, velas e as lanternas de abóbora.

Ritual do Dia:
Honre essa poderosa egrégora e conecte-se à antiga tradição criando um ritual apropriado. Acenda uma vela preta ou roxa e queime nela todos os aspectos negativos ou ultrapassados de sua vida. Ofereça um bolo de abóbora aos ancestrais, uma romã, uma maçã e uma vela branca à Cailleach, a Deusa Anciã, pedindo-lhe a transmutação da "escuridão", a regeneração e o dom da sabedoria. Finalize o ritual procurando uma orientação por meio dos oráculos ou buscando uma mensagem do "além".

Celebrações gregas dedicadas às deusas Perséfone e Hecate, senhoras do mundo subterrâneo. As versões cristianizadas desses antigos festivais são o Dia dos Mortos e as festas mundanas conhecidas como Halloween.

Quarto dia das celebrações de Isia, com procissões e oferendas públicas e rituais secretos no interior dos templos de Osíris.

Celebravam-se também as deusas solares Bast e Sekhmet, em seus aspectos escuros, como destruidoras do mal e condutoras das almas.

Na antiga Suméria, reverenciava-se Ereshkigal, a deusa da escuridão e da morte, senhora do mundo subterrâneo e irmã de Inanna. Originariamente, ela era um dos aspectos da Mãe Terra, semelhante a Ishtar, Irkalla e Mami, entre outras. Mitos mais recentes descrevem-na como a consorte do deus Nergal, compartilhando do domínio sobre Kigalla - A Terra Morta - ou como a condutora da barcaça das almas, atravessando a barreira entre o mundo das vivos e seu escuro reino dos mortos.

Em seu aspecto benéfico, Ereshkigal podia permitir aos humanos a retirada de riquezas de seu reino - como pedras preciosas, metais e petróleo - se devidamente honrada e ofertada.  

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

30 de out de 2016

30 DE OUTUBRO - Celebração do Dia

Angelitos, comemoração mexicana para as almas das crianças abortadas ou natimortas, originada no culto de Xipe Totec, o deus asteca da morte e de Mictecacihuatl, a deusa que regia os nove rios que as almas deveriam atravessar em sua passagem. 

Antigamente, celebravam-se também as seguintes deusas, regentes da vida e protetoras das crianças: 
  • Cihuatzin, a mãe e guardiã das crianças; 
  • Ilamatecuhtli, "A mulher velha com saia longa", deusa da Terra e da Lua; 
  • Quilaztli, "A mãe guerreira", protetora das crianças, dos animais e dos pássaros;
  • Tonantzin, a Mãe Terra, deusa dos cereais e da natureza; 
  • Teteoinnan, "A mãe das coisas sagradas", padroeira das parteiras, senhora da fertilidade e da Terra;
  • Toci, "A Avó", deusa anciã da Terra, guardiã dos poderes de cura e regeneração.
Ritual do Dia:
É uma data propicia para reverenciar os espíritos das crianças que não conseguiram nascer ou sobreviver. Se você tiver tido algum aborto, espontâneo ou provocado, encomende um culto ou uma cerimonia em favor dessas almas. Faça um ritual de perdão para si mesma e ofereça durante os próximos nove dias um copinho com leite, uma vela branca e uma flor na frente de uma imagem da Grande Mãe. Ore para que as deusas do destino encaminhem novamente essa alma para você ou para sua família, permitindo, assim, o reencontro e o resgate.

Terceiro dia das celebrações de Isia. De acordo com a localização dos templos, os rituais era diferentes; todos, porém, enfatizavam o desmembramento do corpo de Osíris, o sofrimento de Ísis e sua busca desesperada para encontrá-lo.


*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

29 de out de 2016

FILMES - A Princesa Prometida

A princesa Buttercup é raptada por uma bizarra gangue com um plano mirabolante para criar um incidente internacional. Seus membros logo descobrem que estão sendo perseguidos pelo pirata Roberts, que pode ser também Westley, o único – porém já esquecido – amor da princesa. Uma combinação bizarra de lutas de capa e espada, aventura, fantasia e comédia. Um divertidíssimo trabalho do diretor Rob Reiner.

Assista pelo Site - Cinema Interativo:
http://www.cinemainterativo.com/legendado/assistir-princesa-prometida-legendado-online/

29 DE OUTUBRO - Celebração do Dia

Celebração do deus Baal e da deusa Beltis ou Baalath, na Fenícia, com fogueiras e ritos sexuais. Baal era o deus da fertilidade, do céu, do Sol, das nuvens e da atmosfera, enquanto Baalath era a deusa da Terra, da natureza e dos nascimentos. Baalath se apresentava de várias formas, fosse usando um disco com chifres lunares, fosse usando uma tiara com serpentes. Um de seus aspectos - Baalath Ashtart - teria vindo do céu, na forma de uma estrela de fogo, caindo no lago Aphaca, onde foi construído seu templo em torno dessa "Pedra do Céu".

Dia das Almas, festa dos mortos na tradição dos índios Iroquois, reverenciando os ancestrais. A deusa criadora e destruidora da vida na mitologia Iroquois é Aataentsic, "A Mulher que caiu do céu", considerada a primeira mulher de sua civilização. Ela regia o céu, a Terra e a magia. Ela curava, mas também provocava as doenças fatais sendo, por isso, encarregada da guarda das almas à espera do renascimento. Sua equivalente, na mitologia Zuni, era Awitelin Tsita.

Comemoração de Aditi, a deusa hindu que representava a Mãe Espaço, o próprio cosmo e a criação contínua. Ela gerou várias divindades que também tinham seu nome - as Adityas -, que correspondiam aos meses e aos planetas.

Segundo dia de Isia, com a preparação das réplicas do corpo morto de Osíris com areia e pasta de grãos (cevada). Essas efígies podiam ser molhadas com a água do Nilo, para que as sementes brotassem ou secas ao Sol, embalsamadas e enterradas, para serem desenterradas e celebradas no fim do festival.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

28 de out de 2016

28 DE OUTUBRO - Celebração do Dia

Isis por Thalia Took
No Egito, inicio de Isia, cerimonias de seis dias que comemoravam a morte e a ressurreição de Osíris. Havia uma encenação da luta entre Osíris e Seth, simbolizando o combate simbólico entre a luz e a escuridão. Osíris era morto e pranteado por Ísis.


Segundo o mito, Osíris - irmão e consorte de Ísis, deus do Rio Nilo e da vegetação - tinha sido morto por sei irmão malvado Seth - deus da escuridão e da morte. Ísis rasgou suas roupas, cortou seu cabelo e começou uma busca desesperada pelo corpo de seu amado esposo. Mesmo após achá-lo, seu sofrimento não terminou, pois Seth despedaçou o corpo de Osíris e escondeu os doze pedaços em vários lugares. 

Ísis conseguiu recuperar o corpo, menos o pênis, que ela substituiu por um de ouro. Com encantamentos e usando ervas, Ísis ressuscitou Osíris e concebeu, por meio de recursos mágicos, o deus solar Horus.

Ritual do Dia:
Reverencie essa antiga trindade e o simbolismo da morte e do renascimento, desapegando-se de algo "morto" em sua vida e renovando, de forma mágica, um projeto ou relacionamento seu.

Celebração de Aida Wedo, a deusa serpente haitiana, guardiã do arco-iris e de Damballah Wedo, o deus serpente, seu companheiro. Segundo a lenda, Aida Wedo é vista deslizando sobre a terra molhada pela chuva, com sua tiara feita de pedras preciosas formando o arco-iris, iludindo os homens com a promessa do tesouro enterrado no final.



*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

27 de out de 2016

Músicas para baixar


Interessadas em baixar músicas que te conectem mais com a essência do Feminino? Temos várias para vocês! 

Discos completos em português e inglês. Aproveita!

Clica no link abaixo e pode fazer o download:
https://mega.nz/#F!nY1gRKYL

(Basta clicar em descriptografar para entrar na pasta e começar a baixar).


Imagem MARAVILHOSA de Emily Balivet.

27 DE OUTUBRO - Celebração do Dia

Kachin Mana
Owaqlt, a cerimonia dos melões no vinho, ritual dos índios Hopi para curar e fortalecer as mulheres, vistas como receptáculos para a semente da vida. 

Durante esses rituais, consagrava-se a energia geradora e o poder sagrado do ventre da mulher, homenageando-se A-ha Kachin Mana, Kachina da fertilidade.

Dia da Maçã na CornualhaInglaterra. As moças solteiras colocam nesta noite uma maçã sob seu travesseiro para receber em sonho algum presságio sobre seu futuro companheiro. Antes do sol nascer, a maçã devia ser comida em absoluto silêncio, orando para receber alguma mensagem. Sem trocar de roupa ou falar com alguém, a moça deveria sair de casa e sentar-se sob uma árvore. A lenda diz que a primeira pessoa que passar representará características de seu futuro marido. Se ninguém aparecer, deve-se recorrer a sua voz interior.

Ritual do Dia:
Para atrair vibrações amorosas e bons presságios para a sua casa, prepare uma maçã mágica espetando, em toda sua superfície, cravos e polvilhando-a, depois, com canela e gengibre em pó. Se preferir, faça uma guirlanda com fatias de maçãs entremeadas de pedaços de canela, pendurando-a depois na cozinha. Essas crenças e hábitos populares relacionados ao uso mágico da maçã tiveram sua origem nas antigas celebrações das deusas do amor, a quem as maçãs eram consagradas.

Uma lenda celta descreve como a princesa irlandesa Ailinn morreu de tristeza ao saber da morte acidental de seu amado príncipe Baile. Eles foram enterrados juntos e de seus túmulos nasceram duas arvores - uma macieira e um teixo - cujos galhos ficaram eternamente entrelaçados como testemunho de seu amor.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

26 de out de 2016

26 DE OUTUBRO - Celebração do Dia

Hathor por Thalia Took
Antiga celebração egípcia das sete divindades Kine, descritas como precursoras de Hathor, originárias das deusas assírias com cabeças de vaca.  Essas deusas eram representadas ou com um disco solar entre os chifres ou com cabeça de vaca e corpo de mulher. Por terem criado o universo, elas detinham o poder de vida e de morte, determinando os destinos dos homens e protegendo, principalmente, as mulheres e crianças. 


Hathor possuía vários títulos, entre eles o de Vaca Celestial, Rainha do Céu e da Terra, Mãe da Luz e Guardiã dos Cemitérios. Hathor era a mãe do deus solar , assim como de outras diversas divindades. Nas celebrações, suas estátuas eram expostas aos raios solares enquanto as pessoas, adornadas de flores, cantavam e dançavam o dia todo, celebrando os prazeres e as alegrias da vida.

Na Escandinavia, celebrava-se Nat (a noite), deusa da Lua, da noite, dos metais, das estrelas e dos planetas. Nat era representada atravessando o céu em sua carruagem feita de todos os metais e adornada com pedras preciosas. Ela conferia a inspiração e a criatividade e, quando invocada, removia as preocupações e a tristeza.

Comemoração da deusa irlandesa Macha, a tríplice manifestação da Grande Mãe como atleta, guerreira e rainha. Segundo alguns historiadores, Macha era uma faceta de Morrigan ou Badb, ambas deusas da guerra, cujos animais sagrados também eram os corvos. Macha regia os pilares nos quais eram empaladas as cabeças dos guerreiros mortos em combate, originando, assim, o culto celta da cabeça.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

25 de out de 2016

25 DE OUTUBRO - Celebração do Dia

               Ukemochi-No-Kami

Na China, festival da deusa lunar Han Lu. No Japão, celebração da deusa da agricultura e dos alimentos Uke-Mochi-no-Kami e de sua filha Waka-Saname-no- Kami, a deusa dos brotos de arroz. Essas deusas, responsáveis pela fertilidade da terra, eram homenageadas com oferendas de arroz e brotos.

Celebração das deusas coreanas do Sol - Hae Sun -, da Lua - Dae Soon - e das estrelas - Byul Soon.

Dia de São Crispim, o padroeiro dos sapateiros. Segundo as lendas, comprar um par de sapatos neste dia traria boa sorte e prosperidade.

Ritual do Dia:
Faça um pequeno ritual diferente, porém muito útil. Prepare um talco mágico para colocar em seus sapatos misturando maisena com raiz de lírio em pó e bicarbonato de sódio em partes iguais. Acrescente pitadas de pó de casca de limão, de folhas de hortelã e de alecrim. Adicione nove gotas de essência de pinheiro ou cedro, misture e exponha a mistura ao luar ou à luz das estrelas.. No dia seguinte, abençoe o pó e depois abençoe seus pés, pedindo a Deus e à Deusa que a ajudem a caminhar com segurança, de acordo com suas convicções, fiel à sua verdade e sabendo encontrar a trilha que leva da escuridão para a luz, das incertezas para as realizações.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

24 de out de 2016

MÚSICA - Goddess/Pagan Music

Signo de Escorpião (24/10 - 22/11)


Escorpião // Scorpio ♏

Face Positiva: Tem muita energia física e mental. Gosta de emoções fortes e de perceber o lado oculto das outras pessoas. Possui um dom especial para descobrir o que os outros querem esconder. Sedutor e carismático, é dono de um magnetismo que atrai as atenções por onde passa.

Face Negativa: É desconfiado e reservado no trato com os outros. Gosta de se fazer de vítima e ser dramático. Apresenta traços de sadismo e fanatismo. Fala pouco, mas tem a língua mais ferina do Zodíaco. Magoa-se facilmente e guarda ressentimento.


FONTE: Eu sei que sou mortal e a criatura de um só dia; mas, quando perscruto o conjunto dos círculos giratórios das estrelas,...

24 DE OUTUBRO - Celebração do Dia

Ishtar por Thalia Took
Celebração dos espíritos do ar, dos Devas e das deusas ligadas ao elemento ar como Aditi, 
Arianrhod, Maat, Minerva, A Mulher que Muda (Estsanatlehi), Nuit, Ninsaba, Sarasvati e 
Sophia.

Na Mesopotâmia, antiga celebração da deusa Ninlil, a senhora dos ventos, guardiã da Terra, do céu, do ar e do mundo subterrâneo. Seus emblemas eram a montanha celeste, as estrelas, a árvore de galhos entrelaçados e a serpente. Padroeira da cidade de Nippur, ela foi aos poucos assimilada no culto das deusas Ishtar e Belit.

Dia dedicado a Uriel, o anjo da justiça.

Ritual do Dia
Aproveite os influxos deste dia e faça uma boa purificação em sua casa. Queime em cada comodo incenso de olíbano ou mirra, em movimentos circulares no sentido anti-horário, tocando um sino ou chocalho. Coloque depois pour-pourris em todos os quartos enquanto põe uma música suave para reverenciar os espíritos do ar. Ore para as deusas da sabedoria pedindo equilíbrio mental e discernimento em suas decisões e o bom uso de suas habilidades e poderes mentais.  

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

23 de out de 2016

23 DE OUTUBRO - Celebração do Dia

Pele por Thalia Took
Entrada do Sol no signo de Escorpião

Este dia é dedicado às deusas do fogo. Invoque uma dessas deusas de acordo com sua afinidade ou necessidade. Entre as deusas do fogo vulcânico há a romana Aetna, a japonesa Fuji, a havaiana Pele, Chuginadak, a padroeira das cento e cinquenta ilhas e montanhas vulcânicas - as Aleutas ou Loo-Wit, a anciã da ilha de Santa Helena

Dentre as deusas do fogo criador ou destruidor, há a celta Brighid, a grega Héstia, a hindu Durga, a romana Ferônia, a nigeriana Oyá, a papuesa Goga, a japonesa Izanami e a siberiana Poza Mama.

Nos países eslavos, celebravam-se as Polengabia, deusas protetoras dos lares e guardiãs do fogo sagrado, equivalentes da deusa grega Héstia 
Matergabia, "A Mulher do Fogo", a quem era oferecido o primeiro pedaço de um pão recém-assado.

Ritual do Dia:
Aproveite este dia e medite sobre a melhor forma de despertar, direcionar ou usar seu fogo interior. Acenda uma vela vermelha ou pule uma fogueira. Avive sua chama e crie sua própria dança sagrada do fogo.


*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

22 de out de 2016

FILMES - Juno

O filme mostra situações de uma menina de 16 anos chamada Juno, que engravida de seu companheiro de classe Bleeker, e desiste de fazer um aborto. Com a ajuda do pai, da madrasta e da melhor amiga Leah, a jovem adolescente procura o casal “perfeito” para criar seu filho, e encara situações delicadas e incomuns para sua maturidade.

Assista pelo Site - Cinema Interativo:
http://www.cinemainterativo.com/legendado/assistir-juno-legendado-online/

22 DE OUTUBRO - Celebração do Dia

Succoth, a antiga festa dos tabernáculos dos hebreus. Celebrava-se o fim da colheita do trigo e da uva e a chegada das chuvas, anunciando o início de um novo ciclo. Esse festival tem origem nas antigas celebrações assírias de Belili, a deusa da Lua, da água, das fontes e dos salgueiros.


Hi Matsuri
Conhecida também como o "Festival das Tendas", essa cerimônia alegre comemorava a fuga do Egito. Durante os sete dias do festival, as pessoas se acomodavam em tendas feitas de galhos de palmeiras - lembrando os antigos hábitos e mandamentos canaanitas. Nos tempos antigos, faziam-se libações e oferendas com a água retirada de uma antiga fonte dedicada à Shulamita, a deusa da fertilidade e da sabedoria. Nas Escrituras, essa deusa foi diminuída à condição de noiva do rei Salomão e a fonte passou a ser chamada de Fonte de Salomão. Durante o festival, as pessoas cantavam e dançavam, fazendo procissões com tochas ao cair da noite. No sétimo dia, as pessoas jejuavam, oravam e se purificavam com galhos de salgueiro, palmeira, limoeiro e mirra. No oitavo dia, as pessoas festejavam com muita alegria, sacudindo os galhos para as quatro direções e levando-os depois para os templos.

No Japão, festival do fogo Hi Matsuri, com procissões de tochas para os altares antigos das divindades. "Matsurisão antigas cerimonias relacionadas à preparação, manutenção e colheita do arroz. Tradicionalmente, as Matsuri eram precedidas por ritos de purificação e abstinência, seguidas de oferendas de "mochi", saquê e vegetais específicos, sem nenhum sacrifício de ser vivo. O elemento essencial das Matsuri era a comemoração comunitária, com todas as pessoas compartilhando das oferendas junto às divindades.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

21 de out de 2016

21 DE OUTUBRO - Celebração do Dia

Na Gréciaritual dos kouretes, sacerdotes dedicados ao culto da grande mãe Cibele, servindo como iniciadores nos mistérios da vida e das artes mágicas. Como mestres e protetores dos jovens, criaram a Ordem Sagrada dos Sacerdotes da Grande Mãe.


O nome "kouretes" tem origem na expressão "filhos de Cronos", o consorte da deusa Rhea  que devorava seus filhos com medo de ser destronado. Os "kouretes" eram jovens dedicados ao serviço da Deusa, perpetuando uma antiga linhagem de sacerdotes que cultuavam a Grande Mãe e as divindades matrilineares antes do surgimento das sociedades patriarcais. Antigos hinos descrevem os "kouretes" como jovens praticando artes marciais em forma de dança. Supõe-se que as danças folclóricas que usam armas, espadas ou escudos são reminiscências dessas antigas práticas sagradas. Os "kouretes" tinham, também, a atribuição de proteger os jovens, atuar como curadores, artesãos, construtores, armeiros, magos, videntes e participar dos ritos sexuais junto com as sacerdotisas.

Na Alemanha, antiga celebração de Horsel, a deusa da Lua e da noite, padroeira dos cavalos e dos cavaleiros. Nos antigos locais de culto a essa deusa, foram erigidas igrejas cristãs dedicadas à Santa Úrsula. O nome dessas cidades é derivado do nome da deusa - como em Horselberg e em Horsenden -, comprovando sua veneração.

Dia de Santa Úrsula, a cristianização da antiga deusa eslava lunar Orselou Úrsala, cujo animal totêmico era o urso, assim como o da deusa Ártemis/Diana. Ela era representada cercada por onze mil virgens, que simbolizavam as estrelas.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.
 http://www.teiadethea.org/

20 de out de 2016

20 DE OUTUBRO - Celebração do Dia

Dia dedicado à deusa pré-helênica Eileithya, a guardiã dos partos e dos recém-nascidos, posteriormente assimilada à deusa Ártemis

Uma deusa extremamente antiga venerada pelos egeus, Eileithya foi a parteira de todos os deuses e deusas da Grécia clássica. Segundo algumas fontes, ela foi a mãe de Eros, não o frívolo Cupido, mas a representação da força primordial da criação nascida do ovo primordial. Eileithya podia castigar uma parturiente, travando seus joelhos e fechando a pélvis, impedindo a passagem da criança. Para conseguir sua benevolente ajuda, sacrificava-se um cachorro e entoava-se seu nome sagrado.

Celebração de Pi-Hsia-Yuan-Chin, a "Princesa das nuvens azuis e púrpuras". Para os chineses taoístas, ela era uma divindade muito importante e muito amada. Assistida por um grupo de parteiras divinas, essa deusa auxiliava os partos, protegendo as mães e trazendo saúde e boa sorte para os recém-nascidos. Ela também era conhecida com os nomes de Sheng Mu - a mãe divina -, Yu Nu - a donzela de jade - e T'ien Hsien - a imortal celeste.

Chung Yeung, comemoração aos ancestrais na China e no Tibet, honrando as deusas Chang-O, Chih Nu, Kwan Yin, Hsi Ho, Nu Kwa, Tien Hou e Tou Mu.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/