30 de nov de 2016

30 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia

Dia de MawuGrande Mãe do Dahomey, a criadora do universo que estabeleceu a ordem no caos primordial. Mawu criou não somente a Terra mas também os seres humanos. 

Mawu por Doreen Virtue
No inicio, ela usou argila para modelar os corpos. Quando a argila acabou, ela passou a ressuscitar os mortos, fato que explica a semelhança de certas pessoas a seus ancestrais. À medida que a humanidade crescia e se fortalecia, as pessoas tornaram-se arrogantes e violentas. Mawu ficou aborrecida com sua criação e retirou-se para sua morada no céu. Como a situação na Terra tornava-se cada vez pior, Mawu mandou seu filho Lisa para ensinar à humanidade a obediência e o respeito às leis. 

Em alguns mitos, Mawu aparece como uma deusa lunar e Lisa, um deus solar. Em outros mitos, Mawu tem dois rostos: um de mulher, com luas nos olhos e regendo a noite, o outro de homem, com sóis nos olhos, regendo o dia e chamado Lisa

Há um antigo provérbio que diz que "Lisa pune, mas Mawu perdoa", atestando, assim, suas qualidades maternais.

Celebração de Skadi, a deusa padroeira da Escandinavia, regente da neve e padroeira dos esquiadores.

Ritual do Dia:
Invoque a deusa Mawu caso precise melhorar ou renovar algum aspecto de sua vida material (saúde, profissão ou produtividade). Modele com argila símbolos ou formas que representem seus objetivos, visualizando-os já realizados. Exponha, depois, seu amuleto de argila à luz da Lua e peça à Deusa que concretize seu pedido ou desejo. 

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/


29 de nov de 2016

29 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia

Shekemet por Doreen Virtue
Festa de Sekhmet, no Egito, a deusa solar com cabeça de leão, a face destruidora da Deusa HathorSekhmet é a contraparte da deusa solar com cabeça de gato Bast, que representava as qualidades nutridoras do Sol.

Segundo o mito, Sekhmet ficou tão desgostosa e decepcionada com a decadência e a violência da humanidade que decidiu aniquilá-la. Sua fúria tornou-se tão terrível, matando milhares de pessoas, que o próprio deus Rá interveio. Ele misturou uma grande quantidade de cerveja com suco de romã e ofereceu a bebida a Sekhmet, em vez de sangue humano. De fato, após beber e cair em um sono profundo, a deusa acordou sem sentir mais raiva. Essa bebida era preparada e consumida neste dia, honrando, assim, essa antiga deusa solar.

Também celebrava-se outra deusa egípcia leonina, Mehit representada pelas montanhas atrás das quais nascia o Sol e um dos aspectos de Tefnut, a deusa da aurora.

Neste dia, segundo as antigas lendas romenas, os vampiros acordavam e se levantavam de seus túmulos, após um descanso de um ano, saindo em busca de sangue humano. Como proteção, colocavam-se cruzes de madeira e réstias de alho atrás das portas e das janelas, evitando-se passar perto dos cemitérios e rezando bastante antes de dormir.  

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.
 http://www.teiadethea.org/

28 de nov de 2016

MÚSICA - canção deusa wicca

28 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia

Celebração anual de Chokmah ou 
Sophia por  Juni Parkhurst
Hokhmah, a deusa hebraica da sabedoria e da verdade, chamada de Sophia pelos gregos, de Sapientia pelos romanos e cristianizada como Santa SofiaNa mitologia hindu, suas equivalentes são Prajna, a personificação do principio feminino da sabedoria e da inteligencia e Vac, a deusa da comunicação, do conhecimento e da sabedoria oculta, mãe dos Vedas, inspiradora dos videntes e detentora do poder mágico. Nas escrituras judaicasHokhmah era a personificação da sabedoria, aparecendo como companheira de Jeová, igual a ele em poder e conhecimento. 

Suas representações são diversas: pode aparecer velada, iluminada, como uma árvore cheia de frutos ou como uma mulher sábia e cheia de dons. Por meio desses dons as pessoas podem aprender as artes, os trabalhos manuais, a politica ou o discernimento justo. 

Para os gnósticos, ela é co-criadora dos Anjos e Arcanjos, coexistindo e colaborando com Deus na criação. Para alguns estudiosos, ela é o Espírito Santo da trindade cristã. Para os filósofos helênicosSophia era o Espirito de Deus responsável pela espiritualidade da alma humana.

Ritual do Dia:
Contemple essa bonita imagem e medite sobre sua verdade interior e sobre a sabedoria necessária para poder afirmá-la e vivê-la. Invoque as deusas da sabedoria e inspiração antes de suas meditações para que elas possam lhe abrir novos canais de conhecimento e comunicação. 

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.
 http://www.teiadethea.org/

27 de nov de 2016

27 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia

Celebração Gujeswari, no Nepal e de Parvati-Devi, na Índia, comemorando a Deusa Mãe do Universo, dividida em três manifestações ou três mães hindus: Sarasvati, representada pela cor branca; Lakshmi, pela cor vermelha e Parvati, pela cor preta.

A religião hindu é politeísta, atribuindo muitos nomes e formas ao poder divino, mas é também monoteísta, por reduzir todas as manifestações da divindade a uma só deusa, Devi. Mesmo que existam deuses com poder maior que as deusas, sem Devi não haveria nada, pois foi ela quem gerou todas as forças e formas, criando a unidade e a separação e organizando o caos. Todas as deusas são Devi, seja a dourada Gauri, a tenebrosa Kali, a brincalhona Lalita, a valente Durga, a sábia Sarasvati, a poderosa Parvati ou a linda Lakshmi. Mesmo que a cultura indiana pré-védica tivesse sido absorvida e modificada pelos invasores indo-europeus, o culto a Devi permaneceu e reapareceu nos movimentos shákticos e tântricos.

Nas comemorações, durante todo este dia, recitam-se orações e, ao pôr-do-sol, procissões entoando cânticos sagrados vão para os templos das Deusas, levando suas oferendas.

Ritual do Dia:
Entre em sintonia com esta milenar e poderosa egrégora e faça uma meditação para se conectar à manifestação de Maha Devi - a Grande Mãe - e pedir-lhe para ajudar e iluminar sua vida neste momento. Acenda um incenso de lótus, uma lamparina ou vela, entoe o mantra OM, toque um sino e espere a energia de Devi se manifestar de forma luminosa, amorosa ou poderosa em sua mente ou em seu coração.  

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.
 http://www.teiadethea.org/

26 de nov de 2016

FILMES - Lucy

Quando a inocente jovem Lucy (Scarlett Johansson) é forçada a transportar drogas dentro do seu estômago, por acaso, ela acaba absorvendo as drogas, e um efeito inesperado acontece: Lucy ganha poderes sobre-humanos, incluindo a telecinesia, a ausência de dor e a capacidade de adquirir conhecimento instantaneamente.

Assista pelo Site - Cinema Interativo:

26 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia

Coventina de Elizabeth Kyle
Comemoração de Coventina, a deusa celta das fontes, cultuada na Bretanha e na Espanha. Chamada de "A Deusa do Divisor das Aguas"Coventina era considerada uma deusa da água, do destino, da vida e das  cerimônias. 

Semelhante a outras deusas celtas dos rios como Boann, do Rio BoyneBelisama, do rio MerseySulis, do Rio BathSinann, do Rio Shannon ou Sequana, do Rio SenaCoventina regia o Rio Carrawburgh, sendo representada como uma mulher vertendo água de uma urna, simbolizando o conhecimento e a cura. Todas essas deusas eram reverenciadas com ritos de fertilidade e oferendas em suas fontes sagradas. 

Até hoje, na Ilha de Maiorca, as pessoas perpetuam "a dança da cisterna", cujos passos ondulantes e em zigue-zague lembram as antigas danças sagradas das deusas dos rios e da chuva.

Festival tibetano das luzes dedicado aos deuses e deusas da luz. Reverenciam-se Nang-gsal-ma, a senhora da luz e do fogo e Tho-og, a Mãe Eterna, o ser primordial. Representada pelo espaço preexistente a qualquer criação, Tho-og é equivalente à deusa hindu Aditi.

No Senegal, ritos de iniciação dos meninos na puberdade.

Ritual do Dia: Celebre as deusas das águas. Vá a seu habitat (rio, fonte, cachoeira, lago ou mar) e ofereça-lhes uma vela branca, flores, um objeto ou moeda de prata e um espelho. Peça-lhes que ajudem-na a deslizar suavemente no rio de sua vida, contornando os obstáculos e refletindo harmonia, serenidade e suavidade.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.
 http://www.teiadethea.org/

25 de nov de 2016

25 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia

Gaia por Thalia Took
Festa de Gaia ou Gea, a deusa grega da Terra. Segundo o mito, no inicio havia apenas o caos, sem forma. Dele surgiu Gaia, a Mãe Terra, que criou o tempo e o céu. Ao se unir a seu filho UranoGaia gerou todas as outras divindades, além de inúmeras criaturas. Mesmo depois de seu culto ter sido substituído pelo das divindades do Olimpo, os gregos ainda honravam-na, colocando cevada e mel nas fendas da superfície da Terra. Também era para Gaia que eram feitos os mais sagrados juramentos, sendo ela a inspiradora de todos os oráculos.

Cerimônia do Milho dos índios norte-americanos, honrando: nas tribos Zuni, as Seis Donzelas do Milho (que representavam as cores o milho); nas tribos das planícies, a Mãe do Milho; nas tribos do Norte, a Avó Nokomis.

Dia da benção dos moinhos de vento na Holanda. Neste dia, os donos dos moinhos espalhavam no ar farinha ou fubá para apaziguar os espíritos malévolos dos ventos.

Neste dia, nos países celtas, as mulheres festejavam o "Dia de alegria das mulheres" com musicas, danças e rituais celebrando os mistérios femininos.

Comemoração, no calendário cristão, de Santa Catarina, a padroeira das mulheres solteiras.

Ritual do Dia:
Honre Gaia, a nossa Mãe Terra, oferecendo-lhe cereais ou fubá e assumindo o compromisso de colaborar na manutenção do equilíbrio ecológico e planetário. Reúna um grupo de mulheres e compartilhem seus problemas, anseios e realizações. Orem para que Gaia lhes dê força e alegria. Dêem-se as mãos, formando uma corrente e irradiando harmonia e amor para o planeta.   
*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.
 http://www.teiadethea.org/

24 de nov de 2016

24 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia


Antiga comemoração de Berchta ou Percht, a Deusa Mãe da Alemanha e da Áustria

Chamada de "Mulher Elfo", ela sobrevoava a terra envolta em seu manto de neblina e fertilizava os campos e os animais. Como não tolerava a preguiça, ela inspecionava os teares e, caso encontrasse algum trabalho malfeito ou alguma casa em desordem, ela arranhava ou feria a tecelã descuidada. Em suas festas, as pessoas comiam panquecas e bebiam leite, deixando uma parte para Berchta. Ela vinha comer furtivamente e, caso alguém espiasse, recebia como castigo uma cegueira temporária.


Festa das Lamparinas no Egito, honrando e celebrando as deusas da luz e dos nascimentos Ahi
Heket e Meshkent com orações, libações e rituais de queima de lamparinas especiais.

Na Grécia celebrava-se, neste dia, Vesta, a deusa do fogo sagrado e protetora dos lares.

Festival japonês Tori No Ichi para atrair os bons espíritos. As pessoas carregam pelas ruas quadrados de bambu decorados com símbolos de boa sorte.

Ritual do Dia:
Sintonize-se com esta data e acenda uma vela ou uma lamparina, ofereça um pedaço de bolo e um pouco de leite a deusa Berchta e peça-lhe incentivo, criatividade e perseverança em seu trabalho.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.

24 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia


Antiga comemoração de Berchta ou Percht, a Deusa Mãe da Alemanha e da Áustria

Chamada de "Mulher Elfo", ela sobrevoava a terra envolta em seu manto de neblina e fertilizava os campos e os animais. Como não tolerava a preguiça, ela inspecionava os teares e, caso encontrasse algum trabalho malfeito ou alguma casa em desordem, ela arranhava ou feria a tecelã descuidada. Em suas festas, as pessoas comiam panquecas e bebiam leite, deixando uma parte para Berchta. Ela vinha comer furtivamente e, caso alguém espiasse, recebia como castigo uma cegueira temporária.

Festa das Lamparinas no Egito, honrando e celebrando as deusas da luz e dos nascimentos Ahi
Heket e Meshkent com orações, libações e rituais de queima de lamparinas especiais.

Na Grécia celebrava-se, neste dia, Vesta, a deusa do fogo sagrado e protetora dos lares.

Festival japonês Tori No Ichi para atrair os bons espíritos. As pessoas carregam pelas ruas quadrados de bambu decorados com símbolos de boa sorte.

Ritual do Dia:Sintonize-se com esta data e acenda uma vela ou uma lamparina, ofereça um pedaço de bolo e um pouco de leite a deusa Berchta e peça-lhe incentivo, criatividade e perseverança em seu trabalho.


*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.

23 de nov de 2016

Signo de Sagitário (23/11 - 21/12)


Sagitário // Sagittarius ♐

Face Positiva: Tem uma visão positiva da vida, acredita que tudo vai dar certo. Não abre mão da alegria e generosidade. Procura estar sempre em alto-astral e busca realizar seus sonhos. É amante da liberdade e adora viagens. É versátil e tem a mente aberta a novas idéias.

Face Negativa: É arrogante e julga ser o dono da verdade. Orgulhoso, quer sempre ser o alvo das atenções. Sua freqüente inquietação o leva a perder coisas ou pessoas que foram conquistadas com dificuldade. Pode se tornar irresponsável e desperdiçador. É contraditório e descuidado.


FONTE: Eu sei que sou mortal e a criatura de um só dia; mas, quando perscruto o conjunto dos círculos giratórios das estrelas,...

23 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia

Amaterasu por Thalia Took
No Japão, celebração shinjosai dedicada a Konohana Sakuya Himedeusa das cerejeiras, neta da deusa solar Amaterasu. Esta deusa, cujo longo nome significa "senhora que faz as árvores florescerem", era filha do deus das montanhas e irmã da deusa das pedras, ela mesma regente da Terra, da natureza, do fogo e das cerimônias. 

Uma forma alternada é Kaguya-hime-no-mikoto, a Princesa Lunar; seu nome significa "beleza e brilho" e seu dom para a humanidade foi a árvore e o aroma de canela.

Na Indonésia, comemoração da Donzela das Bananas, uma deusa da terra e da vegetação, cuja lenda é similar à da deusa japonesa.

Antiga celebração de Zytniamatka, a deusa alemã da agricultura, cultuada na Prússia como A Mãe do Milho. O milho sempre foi um simbolo importante em várias mitologias. Em várias partes do mundo há celebrações dedicadas às Mães do Milho, simbolizando a fertilidade e a abundância da Terra.

Nihinahe, festival japonês celebrando a colheita do arroz e a preparação do saquê ( licor de arroz).

Na Índia, comemoração de Sita, a deusa da terra, da natureza e da agricultura.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.
 http://www.teiadethea.org/

23 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia

Amaterasu por Thalia Took
No Japão, celebração shinjosai dedicada a Konohana Sakuya Himedeusa das cerejeiras, neta da deusa solar Amaterasu. Esta deusa, cujo longo nome significa "senhora que faz as árvores florescerem", era filha do deus das montanhas e irmã da deusa das pedras, ela mesma regente da Terra, da natureza, do fogo e das cerimônias. 

Uma forma alternada é Kaguya-hime-no-mikoto, a Princesa Lunar; seu nome significa "beleza e brilho" e seu dom para a humanidade foi a árvore e o aroma de canela.

Na Indonésia, comemoração da Donzela das Bananas, uma deusa da terra e da vegetação, cuja lenda é similar à da deusa japonesa.

Antiga celebração de Zytniamatka, a deusa alemã da agricultura, cultuada na Prússia como A Mãe do Milho. O milho sempre foi um simbolo importante em várias mitologias. Em várias partes do mundo há celebrações dedicadas às Mães do Milho, simbolizando a fertilidade e a abundância da Terra.

Nihinahe, festival japonês celebrando a colheita do arroz e a preparação do saquê ( licor de arroz).

Na Índia, comemoração de Sita, a deusa da terra, da natureza e da agricultura.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.
 http://www.teiadethea.org/

22 de nov de 2016

22 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia

Artemis por Thalia Took
Dia dedicado à deusa greco-romana Ártemis,Diana, celebrando a entrada do sol no signo de Sagitário.

Dia de Santa Cecília, a padroeira dos músicos, uma modernização da deusa Calisto, padroeira da musica. Calisto era uma antiga deusa pré-helênica das montanhas da Arcádia, personificando a força do instinto e sendo representada ora como uma jovem atleta, caçadora, correndo velozmente pelas florestas, ora como a poderosa e amorosa Mãe Ursa. Com a chegada das tribos invasoras gregas, sua imagem e seus atributos foram incorporados aos da deusa equivalente, Ártemis, transformando Calisto em uma simples Ninfa. Quando Calisto morreu acidentalmente, Ártemis- que gostava muito dela - assumiu seus atributos e símbolos, mudando seu próprio nome para Artemis Caliste.


Ritual do Dia:Celebre a Deusa Caçadora meditando a respeito do alvo que você quer alcançar. Prepare seu arco - seu equilíbrio - e sua flecha - sua determinação. Aguce seu instinto, chame seu animal de poder, invoque a Deusa e confie em seu sucesso. 

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.
 http://www.teiadethea.org/

22 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia

Artemis por Thalia Took
Dia dedicado à deusa greco-romana Ártemis,
Diana, celebrando a entrada do sol no signo de Sagitário.


Dia de Santa Cecília, a padroeira dos músicos, uma modernização da deusa Calisto, padroeira da musica. Calisto era uma antiga deusa pré-helênica das montanhas da Arcádia, personificando a força do instinto e sendo representada ora como uma jovem atleta, caçadora, correndo velozmente pelas florestas, ora como a poderosa e amorosa Mãe Ursa. Com a chegada das tribos invasoras gregas, sua imagem e seus atributos foram incorporados aos da deusa equivalente, Ártemis, transformando Calisto em uma simples Ninfa. Quando Calisto morreu acidentalmente, Ártemis- que gostava muito dela - assumiu seus atributos e símbolos, mudando seu próprio nome para Artemis Caliste.

Ritual do Dia:
Celebre a Deusa Caçadora meditando a respeito do alvo que voce quer alcançar. Prepare seu arco - seu equilibrio - e sua flecha - sua determinação. Aguce seu instinto, chame seu animal de poder, invoque a Deusa e confie em seu sucesso. 

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.
 http://www.teiadethea.org/

21 de nov de 2016

21 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia

Cailleach por Thalia Took
Celebração da deusa Cailleach, a senhora da noite e da morte. Uma das mais antigas e reverenciadas deusas celtas, Cailleach foi conhecida sob inúmeros nomes: Cailleach Bheur ou Carlin, na EscociaCally Berry ou Cailleach Beara, na IrlandaCailleach my Groamch, na Ilha de ManBlack Annis, na Bretanha Digue, no Pais de Gales, todas equivalentes da deusa hindu Kali.


Cailleach regia o Céu e a Terra, o Sol e a Lua, o tempo e as estações. Ela criava as montanhas com as pedras que carregava em seu avental, mas também trazia aos homens as doenças, a velhice e a morte. Seu nome não aparece nos relatos escritos, apenas nas antigas lendas e crenças ligadas aos lugares que levam seu nome. Acredita-se, por isso, que ela era uma divindade pré-celta, trazida pelos povos colonizadores das Ilhas Britânicas, vinda do leste europeu, possivelmente da Índia. Nas lendas medievais, ela é descrita como a Rainha Negra ou a Velha Bruxa, seu nome passando a ser sinônimo de mulher velha. 

Cailleach é a guardiã do portal que leva à parte escura do ano, iniciada no Sabbat de Samhain e é invocada nos rituais de morte e transformação, com muita seriedade e profundo respeito.

Dia do deus maia Kukulcan, a Serpente Emplumada, o primitivo deus tolteca que foi, posteriormente, sobrepujado pelo deus Quetzalcoatl.


*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.
 http://www.teiadethea.org/

20 de nov de 2016

20 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia


No México, celebra-se a Virgem de Guadalupe. 


Segundo a lenda, a Virgem Maria apareceu, em 1531, para Juan Diego, um humilde camponês índio. Na forma de uma mulher jovem, com a pele escura, envolvida por uma nuvem luminosa, a Virgem disse-lhe, em nahuatl - a língua nativa -, para pedir ao Arcebispo do México que construísse uma igreja na colina de Tepeyac. Para convencer o bispo da autenticidade da mensagem, a Virgem imprimiu sua imagem nas roupas do camponês. Nos tempos pré-hispânicos, a colina de Tepeyac abrigava o templo da deusa Tonantzin, a Mãe Terra, senhora da Lua. Essa aparição deu-se após a conquista do México pelos espanhóis, servindo de consolo e apoio aos índios, que lamentavam a perseguição e abolição de suas divindades.

Modrenacht, "A Noite da Mãe", o festival odinista do inverno. Nesta noite, no antigo calendário saxão, celebrava-se o Solsticio de Inverno, quando a criança solar nascia da Deusa Mãe. Esta data sempre foi muito importante, tendo precedido a escolha cristã para a celebração da Natividade. Durante esta noite, as pessoas tinham sonhos proféticos e divinatórios. Acreditava-se que os animais podiam falar e que a água de certas fontes sagradas se transformava no sangue sagrado da Mãe Divina.

Dia de Praetextatus Paulia, os guardiães dos Mistérios Eleusínios, que permitiram a continuação das celebrações apesar de sua interdição pelo imperador cristão Valentiniano.


Makahiki, a celebração das Plêiades no Havaí, outrora o inicio do Ano Novo. 

A aparição das Plêiades no céu era saudada com muitas festas e alegria, as pessoas cantando, dançando e agradecendo o término das colheitas. As Plêiades ou as Sete Irmãs, tiveram grande importância em várias tradições e celebrações antigas, como na Índia pré-védica, nos cultos a Afrodite e Ártemis, nas celebrações do Ano Novo na Babilônia, Asia, Grécia e América Central, nos mitos egípcios e greco-romanos e nas crenças da Idade Média, com a suposição de que a sétima filha de uma família ou seria bruxa ou vampira.


*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.
 http://www.teiadethea.org/

19 de nov de 2016

FILMES - Sentidos do Amor

Eva Green é Susan, epidemiologista que saiu recentemente de um relacionamento ruim. Ewan McGregor é Michael, o chef carismático que conquista Susan e lhe mostra que nem todos os caras são ruins. Ao mesmo tempo que Susan e Michael estão se apaixonando, uma pandemia global está ameaçando mudar a face da humanidade para sempre.

Assista pelo Site - Cinema Interativo:

19 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia

Bharatri Dwitya, o festival hindu dos irmãos e irmãs, celebrando o deus Yama e a deusa Yami ou Yamuna

Yami era considerada a mãe da raça humana, enquanto seu irmão Yama era o senhor da morte. Yami também era a padroeira dos rios, principalmente do rio Yamuna

No Tibete, a vaca e o cachorro, os animais consagrados a esses deuses, são venerados, sendo ornamentados com guirlandas de flores e amplamente festejados neste dia. Os homens e as mulheres são considerados iguais, companheiros e parceiros na vida, desfrutando dos mesmos direitos e privilégios.

Celebração filipina de Bugan, a criadora da vida e de seu irmão e consorte Wigan. Considerados os padroeiros dos partos, foram os dois que criaram os primeiros seres humanos após o grande dilúvio.

Ritual do Dia:Aproveite a data e visite ou ligue para seus irmãos carnais. Na ausência deles, confraternize-se com todos aqueles que são seus irmãos espirituais. Vejam-se como parte do Todo, filhos de uma mesma Mãe Divina, irmanados com todos os outros seres.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

19 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia


Bharatri Dwitya, o festival hindu dos irmãos e irmãs, celebrando o deus Yama e a deusa Yami ou Yamuna.

Yami era considerada a mãe da raça humana, enquanto seu irmão Yama era o senhor da morte. Yami também era a padroeira dos rios, principalmente do rio Yamuna. No Tibete, a vaca e o cachorro, os animais consagrados a esses deuses, são venerados, sendo ornamentados com guirlandas de flores e amplamente festejados neste dia. Os homens e as mulheres são considerados iguais, companheiros e parceiros na vida, desfrutando dos mesmos direitos e privilégios.


Celebração filipina de Bugan, a criadora da vida e de seu irmão e consorte Wigan. Considerados os padroeiros dos partos, foram os dois que criaram os primeiros seres humanos após o grande dilúvio.


Ritual do Dia:

Aproveite a data e visite ou ligue para seus irmãos carnais. Na ausência deles, confraternize-se com todos aqueles que são seus irmãos espirituais. Vejam-se como parte do Todo, filhos de uma mesma Mãe Divina, irmanados com todos os outros seres.

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.  http://www.teiadethea.org/

18 de nov de 2016

18 DE NOVEMBRO - Celebração do Dia

Festa de Ardvi Sura Anahita, a deusa persa da Lua, da noite, das estrelas, da água, do amor e da sexualidade, criadora e guardiã da vida.
Anahita por hello-heydi



Chamada de "A Força Imaculada da Água", ela era a mais popular das sete principais divindades do panteão zoroastriano. Ela regia a água (a força fertilizadora da terra), presidia na concepção e geração das crianças (purificando o sêmen e fortalecendo o útero), mas também governava a guerra, surgindo em sua carruagem puxada por quatro cavalos que representavam o vento, a chuva, as nuvens e o granizo. Era associada à sexualidade sagrada e aos rituais orgiásticos. 

Equivalente às deusas Anath Anahit, ela era conhecida, na Babilônia, como uma deusa da guerra e do amor. No Egito, era chamada Anthrathia Senhora do Céu e na Armênia, era denominada Anahit. Na Grécia, foi chamada de Anaitis e seu culto originou o de Afrodite. Independente do lugar e do nome, essa antiga e poderosa deusa era venerada pelas mulheres que invocavam seu poder à luz das estrelas, cantando seu nome sagrado.

Ritual do DiaNesta noite, entre em sintonia com essa egregora milenar. Afaste-se um pouco das luzes da cidade, vá para o campo e admire a beleza e a imensidão do céu estrelado, conectando-se aos seres espirituais de outras dimensões e com as deusas da Lua e das estrelas. Se vir uma estrela cadente, peça à deusa Ardvi a realização de um pedido seu.

Celebração egípcia da deusa Anta, a senhora do céu, equivalente às deusas Anthat Anthrathi, adaptações egípcias das lendas assírias. 

*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.
 http://www.teiadethea.org/