2 de fev de 2017

02 de Fevereiro - Iemanjá

Festa da Mãe d'Água na mitologia ioruba, celebrada no Brasil como Yemanjá, no Caribe como Emanjá e em Cuba como YemonjáConsiderada a Mãe de todos os Orixás, Yemanjá era, originariamente, uma deusa lunar, padroeira dos rios e do mar, protetora das mulheres e das crianças.

Em Salvador, Yemanjá é festejada como Nossa Senhora dos Navegantes, com procissões de barcos levando presentes e flores para a Rainha do Mar. Entre os tupi-guarani, era Yara, a sereia, a divindade reverenciada como a Mãe d'Água.


*************************************

Mitologia - lemanjá é uma Deusa do mar das culturas africana e caribenha, que dá à luz catorze orixás ou espíritos. Originalmente conhecida como Ymoja, a mãe do rio, na cultura iorubá da África ocidental, ela é cultuada também no Brasil. Na celebração do solstício de verão, seus devotos vão às praias vestidos de branco e entregam ao mar peque-nos barcos carregados de flores, velas e presentes. Às vezes ela aceita as oferendas e orações; outras vezes manda-as de volta. Diz-se que aqueles que vão à Mãe lemanjá e se entregam a ela têm seus problemas diluídos nas águas de seu abraço.

Significado da carta - Iemanjá nadando para a sua vida simboliza um período de entrega. Você está carregando um fardo mais pesado do que pode carregar? Pensa que tem de fazer tudo sozinha? Deu de encontro com uma pare-de e sente que o único modo de passar para o outro lado é atravessar à força? Entregar-se não significa desistir; na verdade, você está se rendendo, pedindo ajuda para conseguir fazer o que quer fazer. A totalidade é alimentada quando você compreende que o único modo de passar por algumas situações é entregar-se e abrir-se a algo maior; A entrega é um ato de abertura e confiança. Quando nos abrimos e confiamos, deixamos que a energia da Deusa atue em nós para alcançar-mos aquilo de que precisamos.

Sugestão de ritual: Capitulação  
Você pode fazer este ritual na praia ou em outra corrente de água, ou pode fazê-lo como uma viagem da imaginação. Prepare-se ficando centrada (talvez queira ver Tara: Centralização, pp. 180-182). Respire fundo e leve sua consciência para o útero. Respire pela vulva. Quando estiver pronta, entre na água com vagar e reverência, enquanto pede a Iemanjá que venha encontrá-la. Escolha um lugar onde possa flutuar de costas com segurança e conforto. Sinta Iemanjá acercando-se, acolhendo você. Abandone-se ao seu abraço.

Você pode sentir totalmente o abraço de Iemanjá rendendo-se fisicamente a ela, ou pode entregar a ela apenas um aspecto da sua vida no qual precisa de ajuda. Você precisa de assistência nas finanças ou na vida amorosa, ou na procura de emprego ou de moradia? Enquanto você flutua a água lava todo seu corpo, e Iemanjá a alivia de todos os fardos que você carrega. Deixe-a tirá-los de você. Concorde em entregá-los. Visualize-se, sinta-se ou perceba-se entregando-os com alívio e com a certeza de que ela tomará conta de tudo. Abandone -se à imensidão do mar. Quando estiver pronta para voltar, agradeça a Iemanjá por esses momentos com ela. Então volte à praia, sentindo-se mais leve, viva e purificada. Seja bem-vinda!

Iemanjá - ENTREGA

Venha com as suas preocupações venha com os seus lamentos venha quando a vida é alegre venha quando a vida a massacra 
venha quando assumir responsabilidades venha quando quiser abraçar o mundo com as mãos 
venha quando estiver esgotada venha quando buscar renovação Tudo o que pedirei quando você vier é que se entregue a mim 
mãe oceano 
o meu útero aquático espera para acolhê'la deixá-la nascer outra vez 
quando você se render e entregar




*data extraída da Mandala Lunar 2017Ieve Holthausen, Naíla Andrade e Vic Campello 
*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur. *imagem Lisa Hunt

Nenhum comentário:

Postar um comentário