19 de mar de 2017

19 de Março - Deusa Minerva

Inicio de "Panathenaea", o festival grego de cinco dias dedicado a Athena, a deusa da sabedoria, justiça e estratégia. Festejava-se Athena como a fonte da inspiração artística com competições artísticas, musicais e esportivas. Quintaria, o equivalente romano da "Panathenaea", com celebrações para a deusa Minerva.

Ritual do Dia:

Nesta data, invoque a energia da inteligência criativa representada por Pallas Athena / Minerva. Acenda uma vela amarela e faça alguns exercícios respiratórios, já que seu elemento é o ar, ligado ao plano mental. Relaxe e transporte-se, mentalmente, para seu templo interior procurando ler o livro de sua vida e descobrindo soluções e inovações para sua existência ou os meios para desenvolver e expressar sua habilidade mental ou manual. 

Minerva - CRENÇAS

Sou aquilo que penso
Minha vida é formada e moldada pelo que digo a mim mesma Quem sou no mundo
é  o que eu penso que sou O que tenho no mundo
é  o que penso que posso ter O conteúdo de minha mente
é o que eu escolho
Eu descarto, corto, jogo fora aquilo que não contribui para nada O que os outros pensam de mim
é a história deles
e diz muito mais sobre eles do que sobre quem eu sou Na minha jornada
eu me certifico de que aquilo que carrego seja de minha própria e cuidadosa escolha e me sirva bem


Mitologia - Minerva, deusa romana e etrusca da inteligência, da criatividade, da sabedoria, das habilidades domésticas e manuais, era a protetora dos artesãos, de todas as pessoas cujo trabalho manual era guiado pela mente. Seu nome vem da antiga raiz da palavra "mente". Minerva aparece aqui com sua árvore, a oliveira. Ela usa uma égide, um pei-toral ladeado de serpentes, e uma coruja em seu toucado que a iden-tifica como a Deusa da morte e dos mistérios mais profundos.

Significado da carta - Minerva veio para dizer que está na hora de examinar as suas cren-ças e mudá-las, se elas não alimentam a sua totalidade. Como pen-samentos velhos, desgastados, insalubres estão minando a sua vida, a sua energia, a sua felicidade? Você acredita no que as outras pessoas pensam e/ou dizem a seu respeito? Você ainda está rodando a fita de mensagens negativas que seus pais ou as pessoas que tomavam conta de você lhe deram quando era criança? Você acredita no pior sobre si mesma, ou no melhor? Suas crenças são rígidas demais para permitir e apoiar sua evolução? Todos nascemos com uma história. Se vamos viver a história com que nascemos ou criar uma história que alimente tudo o que queremos ser é uma escolha nossa. Minerva diz que a totalidade é cultivada quando você se vê em todos os seus aspec-tos — tanto os sombrios como os luminosos — e escolhe as suas cren-ças para que sirvam ao seu mais alto benefício.

Sugestão de ritual: O que há no meu sótão!

Reserve um horário e um lugar em que você não seja interrompida. Você precisará de papei e caneta. Sente-se ou deite-se confortavel-mente, com a coluna reta, e feche os olhos. Inspire profundamente, respirando para todas as partes do corpo, deixando a respiração enchê-la como se você fosse um balão. Quando estiver completamente cheia, solte o ar. Respire fundo outra vez e solte o ar. Feche os olhos e sinta, visualize ou perceba um lance de escadas que leva você a um sótão. Pode ser um sótão que você já conheça ou um que você ima-gine. Suba os degraus. No alto da escada há uma porta. Você tem a chave dessa porta pendurada num cordão em seu pescoço. Pegue a chave e abra a porta. Você entra numa sala. Numa parede há prate-leiras. Numa das prateleiras há uma caixa com a inscrição "crenças'. Pegue a caixa e abra. Dentro dela estão as suas crenças. Enfie a mãodentro da caixa, puxe uma delas e examine-a. Depois de examiná-la bastante, pergunte a si mesma: "Esta crença serve ao meu mais alto benefício ou à totalidade?" Se a resposta for afirmativa, devolva es-sa crença à caixa e tire outra. Se a resposta for negativa, transforme a crença em algo que sirva a você, algo que lhe pareça bom, algo que a alimente.

Repita sua nova crença algumas vezes e sinta-a aprofundando-se no seu coração, na sua consciência. Vivencie a alegria de ter essa nova crença. Quando terminar, ponha a nova crença aperfeiçoada na caixa e devolva a caixa à prateleira. Feche a porta do sótão e tran-que-a com a chave. Desça a escada. Quando chegar embaixo, respi-re fundo e solte lentamente o ar à medida que volta ao corpo. Quan-do sentir que está pronta, abra os olhos. Seja bem-vinda!

Nota: Se perceber que suas crenças parecem resistir aos seus esforços para transformá-las, repita este ritual em outra ocasião. Isso é um processo, e as crenças com que você está lidando estão aí há muito tempo. Aqui é importante confiar. Talvez você queira anotar o nome de sua nova crença e colocá-lo num lugar de destaque, onde possa vê-lo sempre.

*data extraída da Mandala Lunar 2017Ieve Holthausen, Naíla Andrade e Vic Campello 
*informações extraídas do livro “O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur & "O Oráculo da Deusa" de Amy Sophia Marashimsky. *imagem de Emily Balivet,

Nenhum comentário:

Postar um comentário