27 de fev de 2017

MÚSICA - Beltane Fires

Yoga Diário



“Outro dia, uma professora de ioga veio até minha aula e quando viu que eu seria a instrutora, criticou minha forma, minha cor e quis sair. No fim do exercício, ela reconheceu. Mas eu pensei ‘uau, como uma professora de ioga pode ter uma postura assim?’ Eu sinto muito por ela.” Jessamyn Stanleyyoga body positivity curves body posi jessamyn stanley

24 de fev de 2017

Yoga Diário

"Quando o controle da respiração é correto o controle da mente é possível."
yoga

24 de Fevereiro - Maha Shivaratri (Shiva)

Resultado de imagem
Maha Shivratri ou Maha Sivaratri ou Shivaratri ou Sivarathri é um feriado festivo indiano e nepalês, celebrado todos os anos na 13ª noite e 14º dia no Krishna Paksha do mês de Maagha, em homenagem ao deus Shiva. Wikipédia


*data extraída da Mandala Lunar 2017Ieve Holthausen, Naíla Andrade e Vic Campello 
*imagem da internet

23 de fev de 2017

As Mulheres na Cultura Védica - Kamalaksi Rupini

As Mulheres na Cultura Védica
Seja como a base da família, a educadora dos filhos, a força e a conselheira do marido, pregadora do conhecimento espiritual, governante sábia ou parte essencial dos sacrifícios religiosos, a instrução védica é clara: as mulheres devem ser protegidas e tidas na mais alta estima por toda a sociedade.
Na Bhagava-gita, capítulo 10, verso 34, Krishna diz: “Entre as mulheres, sou a fama, a fortuna, a linguagem afável, a memória, a inteligência, a firmeza e a paciência.” Estas opulências são consideradas femininas e são personificadas nas esposas de Dharma. A deusa da fortuna, Lakshmi; a deusa da sabedoria, Sarasvati; a deusa que é a mãe dos Vedas, de onde vem todo o conhecimento, Gayatri – são todas mulheres divinas. Vemos também que os rios, considerados tão sagrados e auspiciosos para toda a humanidade, como Yamuna, Ganges, Sarasvati, entre tantos outros, são deidades femininas. Além disso, quando nos referimos às divindades, o nome feminino vem sempre primeiro e, portanto, dizemos: Radha-Krishna, Sita-Rama, Lakshmi-Narayana e assim por diante. Partindo dessas observações, podemos refletir sobre a importante posição da mulher dentro da cultura védica.
A mulher é a shakti, a potência, sem a qual nada pode ser realizado. Desse modo, a mulher exercia um papel primordial nos deveres religiosos, nos sacrifícios de fogo, que eram realizados em diversas ocasiões, como cerimônia de nascimento, escolha do nome do bebê, casamento, cerimônia fúnebre, entre outras. Sem a presença dela, todos esses ritos essenciais aos membros da civilização védica simplesmente não podiam ser realizados. O Rig Veda (1.79.872) diz: “A esposa deve realizar agni-hotra (yajna ou sacrifício), sandhya (puja) e todos os outros rituais religiosos diários. Se, por alguma razão, seu marido não está presente, a mulher sozinha tem total direito de realizar yajna.” Porém, sem a esposa, o marido não pode realizar yajna. Deste modo, quando um homem ficava viúvo, ele não podia mais realizar tais sacrifícios. Na história do Senhor Ramachandra, uma das formas de Krishna, é relatado que, certa vez, Ele foi realizar um agni-hotra, mas, como Sua esposa, Sita, não estava com Ele, Ele teve que usar uma deidade de Sita feita de ouro e colocá-la junto dEle na arena de sacrifício para que este pudesse ser feito.
As mulheres participavam de todos os tipos de atividades, de acordo com sua natureza, assim como os homens faziam. O Rig Veda (10.191.3) instrui: “A esposa e o marido, sendo metades iguais de uma mesma substância, são iguais em todos os aspectos; deste modo, ambos devem se juntar e tomar partes iguais em todo trabalho, tanto religioso quanto secular.” O Yajur Veda (20.9) diz: “Homens e mulheres têm direitos iguais de serem apontados como governantes”. Deste modo, a mulher tinha importante papel em todos os aspectos da vida social. Como esposa, ela deveria instruir e ajudar o marido de diversos modos. O Atharva Veda (7.46.3) diz à esposa: “Ensina teu marido a conquistar riquezas.” A mulher, sendo representante de Lakshmi na vida familiar, era também responsável por administrar todos os bens da família e manter as tradições.
Lakshmi, a deusa da fortuna.
Assim, a mulher era considerada a base do lar. Ela era chamada patni, aquela que lidera o marido pela vida; dharma-patni, aquela que guia o marido no dharma, e sahadharmacharini, aquela que segue com o marido no caminho do dharma. Isso era possível graças à educação material e espiritual que a mulher recebia, conforme ordenado no Atharva Veda, que diz que as meninas deveriam se tornar completamente eruditas antes de entrarem na vida familiar. Do mesmo modo, o Rig Veda declara: “Um veda, dois vedas ou quatro vedas, junto com ayurveda, dhanurveda, gandharva-veda etc., e junto com educação, kalpa, gramática, nirukti, astrologia, métrica, ou seja, os seis vedangas, devem ser conhecidos pela mulher de mente pura, que é como uma água pura e cristalina, e que dissemina esse conhecimento diversificado entre as pessoas.” Assim fica claro também o papel da mulher como instrutora não apenas dos filhos e conselheira do marido, mas também como fonte disseminadora do conhecimento para toda a sociedade. Algumas dessas mulheres optavam por se dedicarem integralmente ao estudo espiritual, permanecendo solteiras, as quais eram chamadas de brahmavadinis), enquanto outras optavam por serem educadas para uma vida de casada, o que incluía tanto o estudo espiritual quanto o estudo de deveres específicos de sua casta, de sua natureza (como manejar arco e flecha, dirigir quadrigas, realizar sacrifícios de fogo etc.), as quais eram chamadas de sadyovadhus.
É frequente as mulheres serem altamente louvadas pelas escrituras devido ao seu elevado caráter, inteligência e boas qualidades. De fato, há algumas histórias que descrevem mesmo esposas que enganam a morte ou a subjugam e, assim, salvam a vida de seus maridos. Sem falar nos acontecimentos desastrosos ocorridos devido a ofensas cometidas contra mulheres, como a guerra de Kurukshetra, a famosa batalha na qual Krishna falou a Bhagavad-gita e que foi deflagrada devido à ofensa dos Kauravas contra Draupadi, a esposa dos Pandavas, quando os primeiros tentaram despi-la em frente a uma assembleia.
Por outro lado, dentre as qualidades consideradas femininas, também se destacam o coração macio, fé e inocência, o que pode torná-las presas de pessoas com más intenções. E tanto por isso quanto por sua importância social e espiritual, às vezes as escrituras falam da necessidade das mulheres serem protegidas, assim como devem ser protegidos os brahmanas ou sacerdotes, as vacas, as crianças e os mais velhos. Os brahmanas são aqueles que fazem parte da classe mais alta da sociedade e a quem todos prestam suas reverências, as crianças são o futuro da nação, os mais velhos são o reservatório de conhecimento, e as vacas são os animais mais sagrados, sem os quais não há sacrifícios religiosos, uma vez que a manteiga é um ingrediente essencial para isso. Quando se colocam esses elementos da sociedade e as mulheres na lista dos que devem ser protegidos, isso de maneira alguma é um atestado de incapacidade da mulher, mas, sim, uma prova de sua posição importante e elevada.
Por fim, tendo liberdade para trabalhar de acordo com sua natureza, para escolher seu companheiro, para escolher se quer casar ou permanecer solteira, se quer se dedicar à vida espiritual exclusivamente ou se dedicar ao cuidado da família, a máxima védica “que todos sejam felizes” aplica-se também, obviamente, à mulher. De qualquer modo, ela deve ser extremamente respeitada, seja como a base da família, a educadora dos filhos, a força e a conselheira do marido ou como aquela que é capaz de disseminar o conhecimento espiritual, que é uma governante sábia, ou que é parte essencial para a realização dos sacrifícios religiosos e, portanto, de todos os ritos pelos quais os seres humanos deveriam passar. Seja em qual posição for, o Manu-smriti (3.56-57), o livro das leis deixadas por Manu, o pai da humanidade, adverte: “Onde as mulheres são honradas, lá os deuses estão satisfeitos, mas onde as mulheres não são honradas, nenhum rito sagrado dá frutos. Onde as mulheres da família vivem tristes, a família logo perece completamente, mas a família onde elas são felizes, sempre prospera”.
Se gostou deste material, também gostará destes: Sagrado Feminino, Uma Introdução às Deusas Védicas e Seus Segredos, Srimati Radharani: Gênero, Divindade e Amor na Forma da Deusa Dourada, A Harmonia Interna de Sitadevi.

Ritual do Dia - 23 de Fevereiro

22 de fev de 2017

FILMES - 10 filmes com mulheres fortes para assistir no Netflix

Leilane Menezes

LEILANE MENEZES



O Netflix dá uma ajudinha para quem quer no fim de semana se divertir e celebrar o poder feminino. Uma das categorias disponíveis, atualmente, é a de Filmes com mulheres fortes. Se essa temática não aparece para você, ou se você está em dúvida sobre qual das dezenas de títulos escolher, o Metrópoles selecionou 10 filmes com personagens femininas inspiradoras, que fazem jus à pluralidade da mulher.
1. A Filha da Índia
Se você é daqueles que não gosta de enredos pesados no fim de semana, pule para a próxima opção. Mas se adora assistir a filmes que emocionam e fazem pensar, essa é uma escolha certeira. “A Filha da Índia” fala sobre o estupro coletivo sofrido por Jyoti Singh, estudante de medicina de 23 anos, que saiu do cinema em um shopping de Nova Déli, na Índia, e pegou um ônibus para voltar pra casa. Dentro do coletivo, havia cinco homens e um menor de idade. Durante a viagem, Jyoti foi violentada pelo grupo e jogada para fora do veículo, em seguida. O documentário mostra a reação da sociedade e os desdobramentos do crime.
2. What Happened, Miss Simone?
O filme sobre a cantora Nina Simone é o primeiro documentário produzido pelo Netflix. Se ainda não viu, corra. É a chance de ver imagens inéditas, conhecer diários e cartas de uma das maiores cantoras de todos os tempos. Boa parte do acervo foi cedida pela filha da Simone, Lisa Simone Kelly. O filme traz também entrevistas com amigos e artistas que colaboraram com a geniosa artista. Um dos pontos principais do enredo é a luta de Nina Simone contra o racismo.
3. A boa mentira
Três homens sudaneses partem em busca de uma vida melhor, rumo aos Estados Unidos. Eles são acolhidos por uma assistente social, Carrie Davis (Reese Witherspoon), que pouco conhece sobre o duro passado de cada um. Ela é uma mulher solteira, bem resolvida e muito prática, o que parece estranhíssimo para eles. Aos poucos, tornam-se amigos e descobrem uma nova visão de mundo.
4. Advanced Style
O projeto começou com um blog, Advanced Style, que registrava os homens e mulheres idosos mais estilosos de Nova York. As histórias viraram um documentário homônimo da página da internet, que é sucesso no mundo inteiro. Idealizado pelo dono da marca, Ari Seth Cohen, o filme tem direção de Lina Plioplyte e traz entrevistas com mulheres maravilhosas, como o ícone fashion e musa inspiradora, Iris Apfel.
5. Tomboy
Laure tem 10 anos e acaba de se mudar para uma cidade na França. Ela faz amizade com Lisa, que a identifica como um menino, devido à sua aparência. Laure, então, adota o nome de Mickaël, e passa a viver sua dupla identidade, longe dos olhos da família. A confusão entre identidade de gênero e a condição biológica é retratada com delicadeza.
6. Entre Nós
Bbaseado na história de vida da diretora e atriz principal Paola Mendoza, a protagonista Mariana sai de seu país natal, a Colômbia, com dois filhos com destino para o bairro de Queens em Nova York, local onde seu marido vive. Chegando lá, ela é abandonada pelo companheiro e tem a difícil missão de viver com duas crianças em um local desconhecido e sem nenhum tipo de direito legal. A história foi baseada na história da mãe de Paola e foi a maneira que ela encontrou de chamar a atenção do mundo para a importância da reforma da lei que tratava de imigração nos Estados Unidos.
7. Anita
O filme conta a história de uma garota com Síndrome de Down, Anita (vivida por Alejandra Manzo). Ela vive feliz, tem uma rotina tranquila em Buenos Aires e é muito bem cuidada pela mãe Dora. Na manhã trágica de 1994, tudo muda para Anita, que termina sozinha e confusa, após a explosão da bomba na sede da associação israelita na capital Argentina — fato que realmente ocorreu, em 1994, e foi o pior atentado terrorista da história do país.
8. A hora Mais Escura
Conheça a história da agente que encontrou Osama Bin Laden. O filme faz justiça à personagem da vida real, que, antes da película, havia recebido pouco reconhecimento histórico. Maya (Jessica Chastain) é uma agente da CIA que está por trás dos principais esforços em capturar Bin Laden, após descobrir os interlocutores do líder do grupo terrorista. Com isso, ela participa da operação que levou militares americanos a invadir o território paquistanês, com o objetivo de capturar e matar o terrorista.
9. Coco Antes de Chanel
Todo mundo conhece a emblemática grife Chanel. Nem todos sabem, entretanto, a história de sua vanguardista fundadora. Gabrielle (Audrey Tautou) é deixada, junto com a irmã Adrienne (Marie Gillain), em um orfanato. Ao crescer, ela divide seu tempo como cantora de cabaré e costureira, fazendo bainha nos fundos da alfaiataria de uma pequena cidade. Até que ela recebe o apoio de Étienne Balsan (Benoît Poelvoorde), que passa a ser seu protetor. Recusando-se a ser a esposa de alguém, até mesmo de seu amado Arthur Capel (Alessandro Nivola), ela revoluciona a moda ao passar a se vestir costumeiramente com as roupas de homem, abolindo os espartilhos e adereços exagerados típicos da época.
10. Frida
Lançado em 2002, o filme conta a história da artista mexicana Frida Kahlo, vivida nas telas por Salma Hayek. Conceituada e aclamada como pintora, ele teve um agitado casamento aberto com Diego Rivera (Alfred Molina), seu companheiro também nas artes, e ainda um controverso caso com o político Leon Trostky (Geoffrey Rush), além de várias outras mulheres.

Ritual do Dia - 22 de Fevereiro

Yoga Diário

"O Yogi brilha como o Sol e inspira como a Lua." Hermógenes

fitness yoga healthy lifestyle backbend

21 de fev de 2017

Ritual do Dia - 21 de Fevereiro

Carta de uma Psiquiatra aos jovens, sobre Cinquenta Tons de Cinza

Carta de uma Psiquiatra aos jovens, sobre Cinquenta Tons de Cinza. 

Por Miriam Grossman, MD. Médica Psiquiatra. 
Tradução ao português por Daniel Vera Álvarez. 

Não há nada de cinza em Cinquenta Tons de Cinza. Tudo é negro. Vou explicar por quê. 

Ajudo pessoas que se encontram feridas por dentro. À diferença de outros doutores que utilizam radiografias ou exames de sangue para determinar a causa da dor dos pacientes, as feridas que me interessam são as que estão ocultas. Pergunto e escuto as respostas com atenção. Essa é a maneira como descubro por que "sangra" a pessoa que se encontra à minha frente. 

Os anos que levo ouvindo cuidadosamente me ensinaram muito. Uma das coisas que aprendi é que os jovens estão absolutamente confusos sobre o amor, sobre encontrá-lo e mantê-lo. Escolhem errado e acabam sofrendo muito. 

Não quero que você sofra como as pessoas que frequentam meu consultório, por isso advirto você sobre um novo filme chamado Cinquenta Tons de Cinza. Embora você não assista o filme, sua mensagem está se filtrando em nossa cultura e pode semear algumas ideias perigosas na sua mente. Esteja preparado. 

A estreia de Cinquenta Tons de Cinza será no dia de São Valentim, pelo que você pode pensar que se trata de um filme romântico. Não caia nessa. O filme na verdade é sobre um relacionamento doente e perigoso, repleto de abuso físico e emocional. Parece cheio de glamour, pois os atores são lindos, têm carros caríssimos e jatos particulares, e Beyoncé canta. Você poderia concluir que Christian e Anastásia são legais, e que apesar de que seu relacionamento é diferente, ele é aceitável. 

Não permita que um estúdio de Hollywood manipule você. Essas pessoas só querem seu dinheiro. Eles não têm interesse algum em você ou nos seus sonhos. 

O abuso não é glamoroso nem legal. Nunca está bem, independente da circunstancia. 

Isto é o que você precisa saber sobre Cinquenta Tons de Cinza: quando Christian era criança, foi negligenciado de forma terrível. Ele está confuso sobre o amor porque nunca o experimentou de maneira real. Na sua mente, o amor está atado a sentimentos ruins como a dor e a vergonha. Christian sente prazer em controlar e ferir mulheres das maneiras mais estranhas. Anastásia é uma jovem imatura que se apaixona pela aparência e pelo dinheiro de Christian, e tolamente sucumbe aos seus desejos. 

No mundo real, esta história terminaria muito mal, com Christian na cadeia e Ana em um abrigo – ou na morgue. Ou talvez Christian iria continuar a bater em Ana e ela ficaria e aceitaria seu sofrimento. De qualquer forma suas vidas definitivamente não seriam um conto de fadas. 

Como doutora, eu lhe rogo que NÃO assista Cinquenta tons de Cinza. Informe-se, investigue os fatos e explique aos seus amigos por que tampouco deveriam assisti-la. 

A seguir algumas das ideias perigosas difundidas por Cinquenta Tons de Cinza: 

1. As garotas gostam de rapazes como o Christian, que deem ordens e que sejam agressivos. 
Não! Uma mulher psicologicamente saudável evita o sofrimento. Ela quer se sentir segura, respeitada e cuidada pelo homem em quem confia. Sonha com vestidos de noiva, não com algemas. 

2. Os rapazes gostam de jovens como Anastásia, submissas e inseguras. 
Errado. Um homem psicologicamente saudável deseja uma mulher que se defenda por si mesma e que o corrija caso seja necessário. 

3. Anastásia executa seu poder de livre escolha quando consente em ser maltratada, pelo que ninguém pode julgar suas decisões. 
Lógica falha. Anastásia certamente utilizou seu poder de livre escolha –e escolheu errado. Uma escolha autodestrutiva é uma escolha errada. 

4. Anastásia toma decisões sobre Christian de uma forma reflexiva e objetiva. 
Duvido. Christian oferece álcool a Anastásia de forma constante, o que deteriora seu juízo. Aliás, Anastásia se torna sexualmente ativa com Christian – sua primeira experiência – pouco depois de conhecê-lo. A Neurociência sugere que a intimidade pode ter ativado seus sentimentos de apego e confiança, antes que tivesse certeza de que ele os merecia. O sexo é uma experiência intensa e poderosa –em particular quando se trata da primeira vez. Finalmente, Christian manipula Anastásia para que assine um acordo legal que a proíbe de divulgar que ele é um abusador de longa data. Álcool, sexo, manipulação – dificilmente são os ingredientes de uma decisão reflexiva e objetiva. 

5. Os problemas emocionais de Christian são curados através do amor de Anastásia. 
Só nos filmes. No mundo real, Christian não teria mudado de forma significativa. Se Anastásia sentisse realização pessoal em ajudar a pessoas com transtornos emocionais, teria se tornado uma Psiquiatra ou uma Assistente social. 

6. É bom experimentar com a sexualidade. 
Talvez... para adultos em um relacionamento comprometido, saudável, monógamo, de longo prazo, também conhecido como “casamento”. De outra forma você poderá correr risco de agressões sexuais, gravidez e doenças de transmissão sexual. É inteligente agir com cuidado quando você permite que uma pessoa chegue ao ponto de intimidade física e emocional, pois somente um encontro pode fazer você perder o rumo e mudar sua vida para sempre. 

Em conclusão: o poder de Cinquenta Tons de Cinza repousa na sua habilidade de plantar a semente da dúvida. Existe uma vasta gama de diferenças entre relacionamentos saudáveis e doentes, porém o filme nubla estas diferenças para que você no final se pregunte: O quê é um relacionamento saudável? O quê é um relacionamento doente? Existem muitos tons de cinza... não tenho certeza

Presta atenção: aqui estamos falando da sua segurança e do seu futuro. Não existe lugar para dúvidas; um relacionamento que inclui violência, consensual ou não, é inaceitável. 

Existe o branco e o negro. Não existem tons de cinza aqui. Nem um sequer.

---------------------------------------------------------------------------------------- 

A Dra. é médica especializada em Pediatria e em Psiquiatria infantil, do adolescente e do adulto. 

Leia o artigo original aqui. Visite a página da Dra. Grossman no Facebook aqui.

20 de fev de 2017

Signo de Peixes (20/2 - 20/3)


Peixes // Pisces ♓

Face Positiva: Bondoso e humanista, faz o possível para não dramatizar sua vida nem prejudicar os outros. Tem grande percepção extra-sensorial. É espiritualista e tem uma visão pouco materialista da vida. Demonstra interesse e compreensão pelos problemas alheios.

Face Negativa: Ingênuo, impressiona-se muito facilmente com a conversa alheia. Sente medo ao enfrentar os seus próprios problemas e hesita em tomar uma decisão, pois espera que as soluções caiam do céu. Não consegue ser prático. Tem dificuldade em estabelecer limites e impor sua personalidade.


FONTE: Eu sei que sou mortal e a criatura de um só dia; mas, quando perscruto o conjunto dos círculos giratórios das estrelas,...

Ritual do Dia - 20 de Fevereiro

Yoga Diário

"A ioga mudou cada parte de como eu reagia a tudo." 
Jessamyn Stanley
yoga body positivity curves body posi jessamyn stanley

ORÁCULOS & CARTAS (dicas de compra)

Algumas dicas de Oráculos e Cartas lindas!
Tem mais dicas? Escreve para nós!


*Oráculo de Afrodite
 


*Oráculo da Iluminação

http://piracanga.com/caixa-dos-sonhos-e-oraculo-da-iluminacao-agora-por-correio/

*Oráculo das Matryoskhas

*Oráculo da Prosperidade (fora do estoque - não encontrei)

Para encontrar em qualquer livraria

* Oráculo da Lua
* Oráculo da Deusa














* Oráculo de Isis
* Oráculo de Kuan Yin













* Mensageiro da Felicidade
* Palavra de Criança













* Oráculo da Alma

19 de fev de 2017

Khione

Imagem - Emily Balivet

Lilith


Lilith (suméria) Deusa suméria da sexualidade. Lilith era a padroeira das gestantes, das mães e dos recém-nascidos, mas as deturpações judaicas denegriram-na, tornando-a a Rainha das Bruxas, o demônio que roubava o leite das mães, as almas das crianças e a virilidade dos homens. Recomendava-se usar amuletos cabalísticos contra os poderes nefastos de Lilith e praticar a abstinência sexual. Lilith, atualmente, é o nome usado na astrologia para designar tanto a Lua Negra quanto um asteróide que influencia a sexualidade humana.

Imagem - Emily Balivet









Lilith - PODER

Eu danço a minha vida para mim mesma sou inteira

sou completa digo o que penso e penso o que digo

Eu danço a escuridão e a luz o consciente e o inconsciente o sadio e o insano

e falo por mim mesma autenticamente
com total convicção

sem me importar com as aparências Todas as partes de mim
fluem para o todo

todos os meus aspectos divergentes tomam-se um Eu ouço

o que é preciso ouvir nunca peço desculpas sinto os meus sentimentos Eu nunca me escondo vivo a minha sexualidade para agradar a mim mesma e agradar aos outros

Expresso-a como deve ser expressa do âmago do meu ser


da totalidade da minha dança Eu sou fêmea

sou sexual sou o poder
e era muito temida



Mitologia

Lilith foi originalmente a Rainha do Céu sumeriana, uma deusa mais antiga que Inanna. Os hebreus incorporaram essa Deusa e a trans-formaram na primeira esposa de Adão, que se recusou a deitar-se debaixo dele durante o ato sexual. Ela insistia que, por terem sido criados iguais, eles deviam fazer sexo de igual para igual. Como Adão não concordou, ela o deixou. Depois disso, na mitologia judaica, ela era descrita como um demônio.



Significado da carta

Lilith aparece para dizer que você precisa reassumir o seu poder. Em que pontos você o perdeu ou desperdiçou? Que crenças você man-tém que o negam? Acaso lhe disseram que uma mulher poderosa nun-ca encontra companheiros? Ou que as mulheres não podem ter poder porque isso lhes anularia a feminilidade? Você foi escarnecida, afas-tada ou banida pelos outros quando esbarraram no seu poder? Está com medo de fazer mau uso dele, dominando ou manipulando os outros? Lilith diz que, agora, para você, o caminho da totalidade está em reconhecer que não está ligada ao seu poder e, então, em segundo lugar, submeter-se e aceitar esse poder.
Sugestão de ritual: Cerimónia de cortar a corda

Você pode fazer este ritual a qualquer momento. Trabalhar com o ci-clo lunar aumentará o seu poder. Uma boa hora para cortar as cor-das é na Lua nova. A época certa para colocá-las é o dia seguinte ao da Lua cheia. Você pode usá-las até a Lua nova ou mantê-las por um período maior ou menor — o que achar melhor.

Você precisará de corda, fio, barbante ou o que lhe parecer mais apropriado. Deve ser firme o suficiente para você usar pelo tempo que for preciso. Você também precisará de uma tesoura, de uma fa-ca, de um turíbulo, de um caldeirão ou de um fogão a lenha. O ritual pode ser feito a sós ou com outras pessoas.

Preparação: Escolha até três situações em que não estava ligada ao seu poder. Talvez você tenha ficado com medo de utilizá-lo, ou pode ser que suas crenças a impeçam de expressá-lo. Em seguida, esco-lha uma data para colocar as cordas. Pode ser agora mesmo, ou tal-vez você prefira alinhar-se com os ciclos da Lua. Quando se decidir quanto à data, junte todas as coisas listadas acima.

Cerimónia: Você pode traçar um círculo ou fazer o que lhe pare-cer mais adequado. Quando estiver pronta, pegue a sua corda e corte - a no comprimento desejado, que deve ser determinado pelo lugar do corpo em que você pretende amarrá-la; por exemplo, nos tornozelos, nos pulsos, na garganta ou na cintura. O local escolhido será deter-minado pelo que o cordão representar. Se quiser transformar o que a impede de caminhar em todo o seu poder, você pode amarrar a corda em volta dos tornozelos. Se tiver problemas para dizer a sua ver-dade, talvez deva amarrá-la na garganta. Se tem medo de que a sua sexualidade a impeça de manifestar o seu poder, talvez seja conve-niente amarrar a corda mais embaixo, ao redor dos -quadris. Faça o que lhe parecer mais certo.

Enquanto estiver amarrando a corda junto à sua pele, afirme o significado dela. Por exemplo: "Esta corda simboliza o meu desejo de estar em meu poder ao deparar a minha própria verdade." Quando

120 -


terminar, passe à corda seguinte: Você pode optar por trabalhar com apenas uma corda por vez ou com três. Lembre-se de dar atenção a todas as cordas. Durante os dias que separam a colocação e o corte das cordas, você precisará concentrar-se em cada corda e no que ela representa, olhando-a ou sentindo-a junto à pele.

No dia ou noite que você escolheu para cortar as cordas, pegue o queimador de incenso, o caldeirão ou fogão a lenha, fósforos e uma faca ou tesoura. Agora trace um círculo ou faça o que lhe parecer mais adequado. Quando estiver pronta, acenda o que estiver usan-do. Você deseja dançar e tocar selvagemente o tambor, gritar o sig-nificado das cordas e como a retomar o poder ao cortá-las? Ou pre-fere ficar sentada em silêncio, confirmar o significado das cordas e seu desejo de retomar o poder, cortando-as em seguida? Faça o que for melhor para você. Talvez queira cortar cada corda de forma dife-rente. Corte a primeira corda, passe à seguinte, até que todas as cor-das estejam cortadas. Agora pegue-as e coloque-as no turíbulo, cal-deirão ou no fogão a lenha e observe-as enquanto queimam. Sinta um fluxo de poder enquanto observa cada corda transformando-se em fumaça.

Se quiser dançar, deixe que a dança simbolize a sua intenção de reconquistar o poder e tudo o que a corda significa para você. Quan-do terminar, corte as cordas e jogue-as no fogo.

Se estiver fazendo este ritual em grupo, o grupo pode tocar tam-bor ou uma música. Cada membro terá sua vez no centro do círculo para dançar suas cordas. Quando a dança terminar, a própria pessoa pode cortar as cordas ou designar outra pessoa para cortá-las. Então ela atira as cordas ao fogo, e quando tiverem, queimado é a vez da próxi-ma pessoa, até todas terem dançado, cortado e queimado suas cordas.



Respire fundo e sinta sua nova noção de poder. Se você traçou um círculo, libere o que foi chamado para fazer parte dele com gra-tidão. Agradeça a Lilith por lhe apontar o caminho para o seu pró-prio poder.

Perséfone

Perséfone (grega) Senhora do Mundo Subterrâneo. Rainha das Sombras, a esposa de Hades, senhor do mundo escuro dos mortos.

Imagem - Emily Balivet

Theia

Na mitologia grega, era uma titânide, filha de Urano e Gaia.[1] Desposou Hiperião, seu irmão, e deu à luz as divindades siderais Hélio, o deus do Sol, Selene, a deusa da Lua, e Eos a deusa do amanhecer.[1]

Como toda mulher, Hera passava também pelos três estágios da vida. Como donzela, era HebePartheniaou Antheia, a virgem que trazia o desabrochar e o florescimento. Como mulher madura, era Teleia, a Mãe Terra e a fertilidade. E como Theia, era a anciã que conhecia os segredos da vida e podia ensiná-los às mulheres mais jovens.

Imagem - Emily Balivet